‘Toplessaço’ tem assédio masculino e poucas manifestantes no Rio

A organizadora de manifestação esperava reunir pelo menos 1 mil pessoas na praia de Ipanema na manhã deste sábado (Foto: Mauro Pimentel / Terra)
A organizadora de manifestação esperava reunir pelo menos 1 mil pessoas na praia de Ipanema na manhã deste sábado
(Foto: Mauro Pimentel / Terra)

​Era para ter sido o primeiro topless em massa na praia de Ipanema, mas a convocação atraiu mais jornalistas e homens oportunistas do que mulheres. Comentários desrespeitosos e de cunho machista não faltaram no primeiro “toplessaço” do Rio de Janeiro – organizado neste sábado (21) para marcar o primeiro dia do verão e fazer campanha para que a prática deixe de ser crime e seja vista como natural. Mas as reações na areia mostram que a realidade ainda está muito longe disso.

As primeiras mulheres que se arriscaram a tirar a parte de cima do biquíni foram rapidamente cercadas por dezenas de fotógrafos e cinegrafistas, muitos gritando para que olhassem em sua direção para fazer a foto. Muitos homens reunidos no local perguntavam “cadê as oito mil?”, em alusão às mulheres que haviam confirmado presença no Facebook. Outros se dirigiam às mulheres vestidas dizendo: “tira! É pra tirar!”. Um vendedor de chá no local gritava que aquele era “o mate do peitinho gelado”.

O assédio fez com que muitas mulheres desistissem de participar. A estudante Julia Anquier, 20, diz que não se sentiu confortável para fazer topless. “Estou chocada, muito decepcionada. É um estupro da mídia e dos homens que estão aqui. É muito baixo nível”.

O evento estava previsto para começar às 10h, na altura da Rua Joana Angélica, em Ipanema. O calçadão logo ficou tomado por jornalistas e por homens sentados para assistir. Ao ver a plateia que as esperava, algumas mulheres foram embora sem sequer por os pés na areia.

Informações: Terra Notícias