Jogo online mostra como é a realidade do SUS

Não bastassem os problemas reais, o Sistema Ùnico de Saúde (SUS) também vive maus bocados na ficção. Um jogo chamado “SUS: The Game – Brazilian Hospital Simulador” tem satirizado o sistema virtualmente.

A façanha para o jogador é tentar ser atendido antes que a vida dele sucumbe. “Tenho a experiência de como é se sentir em um hospital público no Brasil (e provavelmente em qualquer país com hospitais em más condições ou mal administrados)”, informa a descrição do game. Mas tem outros desafios. “Só há um médico que pode tratá-lo, encontre-o ele ou ela antes que seja muito tarde. Ninguém se importa ou quer ajudá-lo, então boa sorte.”

O jogo começa como o personagem doente que chega a um hospital para ser atendido. Com uma barra de vida, o player tem que evitar que a barra encha e seu personagem morra. Se isso acontecer, a partida é reiniciada.

Para conhecer o jogo, clique aqui.

Informações do Infomoney

Novos diagnosticados com HIV recebem tratamento imediato

O Diário Oficial da União publicou nesta terça-feira (2) portaria que define mudanças no atendimento a pessoas portadoras do HIV. Conforme anunciado pelo Ministério da Saúde neste domingo (1º), Dia Mundial de Luta contra a Aids, a partir de agora, assim que a pessoa for diagnosticada com o vírus receberá o tratamento imediato na rede pública com uso de antirretrovirais.

O governo espera que a medida contribua para reduzir as possibilidades de transmissão, uma vez que esse tipo de tratamento reduz a carga viral e oferece melhor qualidade de vida ao paciente. Segundo a portaria, o novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos, disponível no site www.aids.gov.br, é de caráter nacional e deve ser usado pelas secretarias de Saúde dos estados e dos municípios na “regulação do acesso assistencial, autorização, registro e ressarcimento dos procedimentos correspondentes”.

O documento também estabelece que é obrigatório informar ao paciente, ou a seu responsável legal, os potenciais riscos e efeitos colaterais relacionados ao uso da terapia antirretroviral. Os gestores estaduais e municipais do Sistema Único de Saúde, conforme a sua competência e pactuações, deverão estruturar a rede assistencial, definir os serviços referenciais e estabelecer os fluxos para o atendimento das pessoas com a doença.

A expectativa do Ministério da Saúde é incluir mais 100 mil pessoas no tratamento em 2014 com a mudança de protocolo. Desde o início da oferta de antirretrovirais pelo sistema de saúde, há 17 anos, 313 mil pessoas foram atendidas.

(Informações da Agência Brasil)

Usuários itabunenses do SUS mostram insatisfação com a saúde

Nesta manhã de quinta-feira (10) um senhor chamado Carlos César de Oliveira Santos, morador de Pedro Jerônimo, veio ao Blog do Tom mostrar sua indignação com a saúde pública de Itabuna. Segundo ele a unidade de saúde do bairro São Pedro não está atendendo pacientes. “Depois do canal não atende, não tem médico”, diz Carlos. Ele se queixa que tem exames marcados há mais de dois meses e até agora não conseguiu ser atendido.

Pessoas de Itabuna e outras cidades dormem em filas para conseguir cota em marcação de exame (Foto: Divulgação)
Pessoas de Itabuna e outras cidades dormem em filas para conseguir cota em marcação de exame (Foto: Divulgação)

Uma outra acusação séria é de uma mulher que não quis se identificar. De acordo com ela, sua tia de 68 anos foi diagnosticada com um nódulo no seio. O problema é que, em pleno Outubro Rosa, mês de campanha em prevenção ao Câncer de Mama, a Santa Casa só disponibilizará os primeiros procedimentos para usuários do SUS no final de janeiro de 2014. O mesmo acontece para fazer uma ultrassonografia no estômago. Outros exames são difíceis e demorados para serem marcados. Segundo a denunciante, a tia dela tem evitado sair de casa, pois cada “não” ouvido nas unidades é um susto para ela

Carlos César fez questão de dizer: “Eu tô lembrado do dia em que Tom perguntou ao prefeito no antigo Alerta Total qual seria o primeiro projeto na gestão de Vane. O prefeito respondeu que o primeiro projeto seria na saúde e agora a saúde está pior!”.

Médico é acusado por morte de bebê em Itabuna

Um médico está sendo acusado de negligência pela morte de um bebê após o parto na Maternidade Ester Gomes, em Itabuna. O profissional é o mesmo que cobrou pela realização de um parto pelo SUS no início do mês de agosto.

“Não era mais para ela ter [parto] normal pelo fato da demora, ela não tinha mais força, e esse médico extraiu meu filho com força bruta. Ele sabia muito bem que podia ter feito a [cirurgia] cesárea e não fez. Optou pelo parto normal e quase mata minha esposa também”, diz Daniel Leão, pai da criança.

Paulo Emanoel Santana Leão nasceu na maternidade Ester Gomes na segunda-feira (26) às 14h10, pesando pouco mais de quatro quilos. O bebê morreu na manhã de quarta-feira (28) e a causa, segundo a certidão de óbito, foi uma fratura no braço e sofrimento fetal.

A direção do hospital disse que uma reunião será realizada nesta quinta-feira (29) para discutir a denúncia. O médico não quis comentar o assunto com a imprensa.

Susto
Ainda segundo Daniel, o parto da mulher foi demorado e o bebê foi para o quarto com a cabeça e o braço enfaixados. “Quebrou o braço do meu filho em vários lugares, [tinha] hematoma na cabeça e no tórax da criança. Um sonho, e por causa de negligência de médico e de hospital, a gente perdeu esse sonho. Não vou calar pra não acontecer com mais ninguém”, indigna-se Daniel.

Denúncia anterior
O médico obstetra que atendeu a esposa de Daniel já foi alvo de denúncia na mesma maternidade que atende pelo SUS. Ele cobrou R$1.200 para fazer o parto de uma adolescente de 16 anos. A direção do hospital obrigou o médico a devolver o dinheiro à família.

 Fonte: G1

Dificuldades para ser atendido pelo SUS no Hospital São Lucas

O Sistema Único de Saúde (SUS) de Itabuna causa revolta entre dependentes do serviço. Além dos problemas para marcação de exames e atendimento nos postos de saúde, quem necessita de atendimento em pronto-socorros também ficam prejudicados. Pacientes que chegam no Hospital São Lucas, por exemplo, precisam aguardar por até cinco horas para serem atendidos, e quando são. É um total desrespeito com os itabunenses.

Segundo denúncias feitas ao Blog do Tom, sabe-se que há apenas um médico por plantão para atender mais de 50 pacientes no pronto-socorro além dos pacientes já internados. Ao que parece, ser atendido em hospital é luxo em Itabuna.

Estudantes de medicina terão que trabalhar por 2 anos no SUS para obter diploma

Os estudantes de medicina que começarem o curso em 2015 terão que trabalhar por dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS) como requisito necessário para ter o diploma. A medida valerá para todas as escolas de medicina públicas e privadas do país, mas ainda vai demorar a ter resultados.

Os estudantes vão começar esse segundo ciclo da formação apenas em 2021, quando tiverem passado pelos seis anos do primeiro ciclo de formação. A norma faz parte da medida provisória (MP) editada nesta segunda-feira (8) pela presidente Dilma Rousseff com ações voltadas para a saúde pública. Entre elas estão as regras para o programa “Mais Médicos”. O programa prevê o preenchimento das vagas na atenção básica à saúde nas regiões onde há carência desses profissionais.

Será dada prioridade aos médicos com registro no Brasil, que deverão começar suas atividades em 2 de setembro. As vagas que sobrarem vão primeiramente para os brasileiros formado no exterior e, por fim, para os médicos estrangeiros. Estes devem começar a trabalhar em 18 de setembro. O número de vagas ainda não foi fechado e vai depender da demanda.

Atualmente, o curso de medicina prevê quatro anos de formação teórica e dois de estágio obrigatório em regime de internato, totalizando seis anos. A partir de 2015, os alunos de medicina continuarão a fazer um curso de seis anos, mas depois disso passarão um ano no serviço de atenção básica do SUS, e depois mais um ano nos serviços de urgência e emergência, como por exemplo o Samu. O Conselho Nacional de Educação (CNE) terá um período 180 dias para regulamentar esse segundo ciclo do curso.

Dificuldades para marcação de exame pelo SUS

As pessoas que necessitam dos serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Itabuna vem enfrentando diversas dificuldades, tendo em vista que faltam materiais, médicos, medicamentos e até mesmo equipamentos básicos. Segundo a população que utiliza os serviços do SUS, os problemas continuam mesmo após as mudanças ocorridas nos setores da administração pública municipal, proposta pelo prefeito Claudevane Leite.

Várias pessoas reclamam pela demora de marcação de exames, que chegam a esperar por meses para uma marcação ser feita. Pessoas também, muitas vezes idosos e de outras cidades, dormem de madrugada na fila para poder garantir a senha de atendimento, que não rende para todos.

Há uma desorganização muito grande por parte da Secretaria de Saúde, que um dia já foi melhor. É preciso regularizar toda a situação do município e priorizar as necessidades das pessoas que dependem do SUS. Pacientes esperam por horas em recepção de hospitais aguardando atendimento no pronto-socorro. Desse jeito não tem como a cidade desenvolver.

Atualização:

Moradores informam que os postos dos bairros Vilas das Dores e João Soares, entre outros, estão sem médicos. Famílias carentes estão sem atendimentos por falta de médicos em postos de saúde.