Após 80 dias servidores municipais encerram greve

Em assembleia realizada nesta sexta-feira (4) as cinco categorias de servidores municipais de Ilhéus decidiram encerrar a greve que completou 80 dias. O retorno ao trabalho será na próxima terça-feira (8), no entanto, virá acompanhado de uma ação judicial dos sindicatos cobrando a revisão anual a partir da data base de cada categoria e ainda o piso nacional dos professores de 7,97%, também com data retroativa a 1º de janeiro.

Assembleia dos servidores em Ilhéus / Foto: Fábio Bomfim/Ilhéus24h
Assembleia dos servidores em Ilhéus / Foto: Fábio Bomfim/Ilhéus24h

A decisão dos trabalhadores tomou como base não somente a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas também o parecer do Tribunal de Contas dos Municípios e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-Sebseção-Ilhéus) que garantem que o governo tem a obrigação de repassar a revisão salarial anual, independente dos índices da folha de pagamento.

Em sinal de protesto contra a decisão do prefeito Jabes Ribeiro de descumprir o que manda a lei, os trabalhadores estarão se reunindo na próxima segunda-feira (7), às 14 horas da manhã, em frente à Justiça do Trabalho, na rua Severino Vieira, Malhado, para o ingressar com a ação.

Os líderes sindicais informaram que nesses 80 dias de greve foram várias as tentativas de negociações com o governo municipal para solicitar o cumprimento do que manda a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas o prefeito Jabes Ribeiro permaneceu insensível às reivindicações dos trabalhadores.

As cinco categorias de servidores municipais de Ilhéus decidiram, em assembleia nesta sexta (04), encerrar a greve que completou hoje oitenta dias. O retorno ao trabalho, na próxima terça (08), no entanto, virá acompanhado de uma ação judicial dos sindicatos cobrando a revisão anual, a partir da data base de cada categoria, e ainda o piso nacional dos professores de 7,97%, também com data retroativa a 1º de janeiro.

A decisão dos trabalhadores tomou como base não somente a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas também o parecer do Tribunal de Contas dos Municípios e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-Sebseção-Ilhéus) que garantem que o governo tem a obrigação de repassar a revisão salarial anual, independente dos índices da folha de pagamento.

Em sinal de protesto contra a decisão do prefeito Jabes Ribeiro de descumprir o que manda a lei, os trabalhadores estarão se reunindo na próxima segunda-feira (07), às 14 horas da manhã, em frente à Justiça do Trabalho, na rua Severino Vieira, Malhado, para o ingressar com a ação.

Os líderes sindicais informaram que nesses 80 dias de greve foram várias as tentativas de negociações com o governo municipal para solicitar o cumprimento do que manda a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas o prefeito Jabes Ribeiro permaneceu insensível às reivindicações dos trabalhadores.

Fonte: Ilhéus24H

Servidores municipais de Ilhéus continuam greve e dão prazo à Jabes

Em assembleia realizada na manhã desta segunda-feira (30) os trabalhadores municipais de Ilhéus decidiram que darão o prazo até sexta-feira (4) para que o prefeito Jabes Ribeiro cumpra o que determina a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal e até lá a greve geral dos servidores públicos continua.

Greve é mantida pelos servidores / Foto: Fábio Bonfim / Ilhéus 24h.
Greve é mantida pelos servidores / Foto: Fábio Bonfim / Ilhéus 24h.

Caso contrário, os trabalhadores entrarão com ação na justiça juntamente com o Ministério Público Federal do Trabalho para que a lei seja cumprida, garantindo a revisão anual a partir da data base de cada categoria e ainda o piso nacional dos professores de 7,97%, também com data retroativa a 1º de janeiro. Leia mais…

Servidores de Ilhéus entram em greve por tempo indeterminado

Foto: Emílio Gusmão
Foto: Emílio Gusmão

Segundo informações do jornalista Emílio Gusmão, os servidores municipais de Ilhéus, estavam em reunidos na frente do palácio do Paranaguá – Prefeitura de Ilhéus, e anunciaram o estado de greve geral por tempo indeterminado. A paralisação foi iniciada devido a insatisfação com a administração atual.