Prefeitura de Ilhéus apaga faixa de ciclovia no Pontal

Agentes da prefeitura de Ilhéus apagam ciclofaixa irregular (Foto: Alfredo Filho / Secom Ilhéus)
Agentes da prefeitura de Ilhéus apagam ciclofaixa irregular (Foto: Alfredo Filho / Secom Ilhéus)

A  Superintendência de Transporte e Trânsito de Ilhéus (Sutran) apagou nesta quarta-feira (8) a ciclofaixa implantada ilegalmente na avenida Lomanto Júnior, Bairro do Pontal. A sinalização irregular da ciclofaixa foi pintada por um grupo de jovens do movimento Reúne Ilhéus como forma de reivindicação de mais segurança [relembre aqui].

De acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Isaac Albagli, a pista fere os princípios previstos no artigo 90 do Código Brasileiro de Trânsito (CBT) e da Resolução 666 do Conselho Nacional do Trânsito (Contran), que regulamentam a implantação de sinalização nas vias urbanas.

Faixa de ciclovia criada no Pontal será apagada pela prefeitura

Na madrugada do dia 31 de dezembro os integrantes do “Reúne Ilhéus” pintaram uma ciclofaixa na avenida Lomanto Júnior, também conhecida como Pontal, em Ilhéus, por conta da inoperância por parte da prefeitura no que diz respeito à ações que visam a mobilidade urbana. Porém, pela falta de autorização da prefeitura e ser considerada irregular, a administração municipal informou que a ciclofaixa será apagada.

Faixa de ciclovia pintada em Ilhéus (Foto: Divulgação)
Faixa de ciclovia pintada em Ilhéus (Foto: Divulgação)

Segundo Mário Schneider, líder do movimento “Reúne Ilhéus”, afirmou que não participou da pintura da ciclofaixa. “Essa não foi uma ação oficial do grupo, mas realizada por alguns integrantes. Recebi uma notificação da prefeitura dizendo que eu estava envolvido, mas não estou. Eles acharam que fui eu porque apoiei a criação de ciclofaixas na cidade através de publicações em redes sociais. Sou a favor da ciclofaixa, mas não participei”, conta Mário.

Ainda de acordo com o líder, um engenheiro da cidade apresentou para a prefeitura um projeto de ciclofaixa que seria gratuito para o município. O gasto seria na implantação, mas a conversa não teve resultado. Além disso, Mário criticou a ação da administração municipal. “Esse ato [criação da ciclofaixa] não era para eles [secretários e prefeitura] criminalizarem, era para aproveitar e conversar com as pessoas”, disse.

Já o secretário de Desenvolvimento Urbano, Isaac Albagli, disse que Ilhéus será contemplada com uma ciclofaixa, mas a que foi criada pelo grupo “Reúne Ilhéus” não é adequada. “Como Ilhéus é um município muito antigo, não é fácil atender totalmente à legislação. Lá não tem a largura adequada. Onde eles pintaram têm várias saídas de vias. No lado oposto é uma faixa exclusiva para ônibus, que é boa e desafogou o trânsito na região. Agora estamos fazendo também uma ciclovia recreativa no Parque da Avenida Soares Lopes”, conclui o secretário.

Fonte: G1

Servidor de Ilhéus processa prefeitura e alega sofrer perseguição

Mario Shineider alega perseguição (Foto: Reprodução)
Mario Schneider alega perseguição (Foto: Reprodução)

O fiscal de postura Mário Schneider acionou a justiça contra a Prefeitura de Ilhéus para receber três salários atrasados. Ele alega ser perseguido pelo governo Jabes. Na quarta-feira (4) o servidor disse que todos funcionários municipais foram pagos, exceto ele.

Neste mês, afirma Mario: “trabalhei na secretaria que me perseguiu mês passado, mesmo assim, o salário não foi pago.” Por fim, questionou: “Quer mais provas de que é perseguição?”

O trabalhador acredita que sua participação no Reúne Ilhéus motiva a suposta perseguição.

(Informações Blog do Gusmão)

Acampamentos do Reúne Ilhéus são desfeitos pela Prefeitura

Nesta segunda-feira (21) pela manhã os acampamentos montados pelo movimento Reúne Ilhéus há 97 dias foram retirados à força por homens não identificados. A Policia Militar esteve presente mas não participou da ação.

Momentos antes da desocupação dos acampamentos (Divulgação: Reprodução)
Momentos antes da desocupação dos acampamentos (Divulgação: Reprodução)

Segundo uma estudante, todos do grupos ainda dormiam quando a desocupação começou, sem qualquer aviso prévio ou apresentação de mandado judicial. Em nota, o município afirmou que o acampamento trazia transtornos ao comércio e à população de modo geral e afirmou que as exigências feitas há três meses pelo grupo serão atendidas, como a auditoria do sistema de transportes, que pode determinar a redução da tarifa na cidade.

Mais tarde, os estudantes do Reúne Ilhéus foram à delegacia e registraram um Boletim de Ocorrência contra o prefeito Jabes Ribeiro. Na denúncia, alguns membros do movimento afirmam que os homens responsáveis pelo desmonte do acampamento chegaram sem apresentar qualquer ordem de desocupação e levaram até pertences pessoais.

No BO, o grupo registra que foram levadas barracas, roupas, cadeiras, mesas, equipamentos eletrônicos e até dinheiro – cerca de R$ 400 reais em espécie.

As imagens feitas pela própria prefeitura mostram que todo o material retirado do acampamento foi amontoado num caminhão, mas o destino ainda é desconhecido.

Pela noite, os jovens fizeram vigília na porta da prefeitura à espera do prefeito, que não apareceu para uma reunião de secretariado.

Vídeo gravado e postado pela Prefeitura de Ilhéus:

Informações: Ilhéus24H

Reúne Ilhéus faz indicação oficial para auditoria de coletivos

Documento carimbado pela Prefeitura
Documento carimbado pela Prefeitura

Na última terça-feira (3) o prefeito Jabes Ribeiro anunciou que a Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe) foi contratada para realizar a auditoria do transporte coletivo ilheense. Mas nesta quinta-feira (5) o movimento Reúne Ilhéus enviou um documento oficial à Prefeitura informando sua própria indicação de auditor independente para compor os trabalhos de avaliação contábil. O movimento social será representado pelo Sindicato de Contabilistas de Ilhéus.

Segue abaixo a transcrição do documento emitido pelo Reúne Ilhéus.

“O movimento Reúne Ilhéus, seguindo o acordado entre a Prefeitura Municipal de Ilhéus e representações do grupo, realiza, por meio deste ofício, sua indicação de auditor independente, reconhecendo que essas indicações estão subordinadas à Lei de Regência da profissão contábil – Decreto Lei 9.295/46 e à regulamentação do exercício da atividade profissional emanada do Conselho Federal de Contabilidade e à orientação técnica emanada do Instituto Brasileiro de Contadores. É indicação do movimento o Sindicato de Contabilistas de Ilhéus, fundado em 27 de maio de 1994, CNPJ: 40.740.342/0001-62 de endereço Almirante Barroso, número 137, sala 501, Edf. Paranaguá. Centro, CEP: 45653-135, Ilhéus, Bahia.

Entendemos que o andamento da Auditoria sobre o transporte coletivo, debatida entre o Poder Público e o movimento social, representa uma vitória da democracia e governabilidade. O Reúne Ilhéus espera, naturalmente, a transparência dos trabalhos e ampla comunicação entre a administração pública e a população acerca do processo.”

Informações: Blog do Gusmão

Confira o vídeo da confusão na Câmara de Vereadores

Reúne Ilhéus ocupou a Câmara para pressionar o governo / Foto: Fábio Roberto

Nesta quarta-feira (28) um grupo de manifestantes do movimento Reúne Ilhéus ocupou o plenário da câmara de vereadores da cidade. O protesto encerrou a sessão e os vereadores da base do governo foram impedidos de deixar a câmara. A policia Militar foi chamada para garantir a segurança de todos. Durante o tumulto, o vereador Gurtia teria agredido um manifestante com um soco. Segundo informações, a PM não agiu contra o vereador porque “não foi em flagrante”, mesmo tendo uma multidão de testemunhas.

O protesto foi gerado pelo fato da câmara arquivar o pedido de uma abertura de Comissão Especial de Inquérito (CEI) do transporte público e o pedido de afastamento do prefeito Jabes Ribeiro (PP).

Ônibus voltam a circular em Ilhéus

Grupo se concentrou em frente ao portão da garagem nesta terça-feira. Foto do Blog Agravo.
Grupo se concentrou em frente ao portão da garagem nesta terça-feira. Foto do Blog Agravo.

Os ônibus de Ilhéus voltaram a circular na manhã desta quarta-feira (21). De acordo com Elieser Santos Ribeiro, superintendente de trânsito e transporte do município, os coletivos saíram às 5h e circulam normalmente na cidade. O serviço havia sido suspenso na terça-feira (20) por conta do bloqueio feito por manifestantes do grupo Reúne Ilhéus, na garagem de uma das empresas de ônibus da cidade.

Na terça-feira, Elieser Santos chegou a dizer que o grupo tentou incendiar um ônibus, sem sucesso. De acordo com o estudante Danilo Oliveira, integrante do movimento Reúne Ilhéus, não houve tentativa de queimar ônibus e os manifestantes seguiram direto para uma das garagens, com o objetivo de chamar a atenção da população para as reivindicações do grupo. “Queremos redução da passagem e melhorias no transporte público, tanto na qualidade física quanto na qualidade de atendimento”, disse.

A passagem de ônibus em Ilhéus custa R$ 2,40. O movimento pede redução para R$ 2. De acordo com o superintendente de trânsito e transporte do município, a frota de ônibus em Ilhéus é de 120 veículos. Cerca de 100 mil passageiros usam o serviço diariamente.

Ainda na terça-feira, a prefeitura se manifestou através de nota à imprensa. No texto, o órgão afirma que o prefeito Jabes Ribeiro se reuniu com os manifestantes, antes do protesto de terça-feira, e se “comprometeu a realizar uma auditoria nas planilhas de custos apresentadas pelas empresas de transportes, para avaliar a justeza ou não do valor das tarifas que estão sendo cobradas [na cidade]”.

Ainda em nota, o prefeito afirma que vai manter o diálogo com os manifestantes e que criou, após reunião com representantes do grupo e da sociedade civil organizada, uma comissão para discutir a questão das tarifas e para acompanhar o trabalho da auditoria. Segundo a prefeitura, até o momento, apenas o movimento Reúne Ilhéus, responsável pela manifestação de terça, não indicou representantes para a comissão.

Reúne Ilhéus: Nota Pública

O movimento REÚNE ILHÉUS surgiu a partir de um interesse popular e espontâneo em colaborar com a construção e controle social de políticas públicas na cidade de Ilhéus, sendo seu primeiro foco o transporte coletivo, acompanhando a onda nacional de levantes sobre o tema, que parte de uma discussão repleta de prerrogativas sobre a municipalização, ampliação e melhoramento dos serviços públicos. Dada a terrificante realidade do transporte coletivo em Ilhéus, o movimento cresceu em força e argumento, atingindo níveis de estudo de documentação e investigações ainda maiores que poderia tencionar. Pela defesa da dignidade humana e do cidadão ilheense, respeitando seu direcionamento político, o REÚNE ILHÉUS sempre se apresentou como um grupo SUPRAPARTIDÁRIO, ou seja, estamos acima de qualquer partidarismo, embora nossa composição abarque membros de vários partidos e também apartidários. Anteontem, dia 16 de agosto, alguns integrantes do movimento realizaram uma viagem para Salvador em obrigações particulares, desvinculadas das atividades da ocupação e movimento. Num ato de descuido, alguns deles, até mesmo pela forte integração à causa e sentido orgânico do grupo, usaram o termo “Membros do REÚNE ILHÉUS” para legendar uma imagem inserida numa situação partidária. O REÚNE ILHÉUS nega essa associação com veemência.

Convidamos, também, toda a população de Ilhéus para acompanhar o requerimento da Comissão Especial de Inquérito sobre o transporte coletivo na cidade, uma denúncia que o movimento elaborou através de um massivo trabalho sobre a caixa preta do transporte. Venham todos conhecer a realidade da ocupação em frente à Prefeitura. Juntos somos muitos.

Manifestantes completam 20 dias acampados em frente a Prefeitura

Café da manhã.
Café da manhã.

Cerca de 30 integrantes do Movimento Reúne Ilhéus tomaram café da manhã com sindicalistas ligados a partidos da base aliada do Governo Jabes Ribeiro neste domingo (4). Os jovens estão acampados há 20 dias em frente ao Palácio Paranaguá – desocupado no dia 17 de julho por ordem judicial – e cobram do prefeito a redução da tarifa de ônibus e a apresentação das planilhas das empresas de ônibus relativas a 2012.

O governo já entregou a planilha referente a 2013. O movimento encontrou inconsistências nos documentos de 2013. As empresas alegam que a gratuidade causa uma “perda” R$ 700 mil, mas a planilha apresenta outro número: R$ 264,4 mil, segundo informou o movimento ao Bahia Online.

O café da manhã de hoje teve frutas, pães e sucos doados por comerciantes e solidários ao movimento que cobra transparência na gestão pública e melhorias no transporte coletivo. Sindicalistas afirmam estarem impressionados com a solidariedade do ilheense ao movimento dos estudantes. Ao meio-dia de hoje, várias categorias profissionais se juntam ao movimento para prestar homenagem ao sindicalista Wagner Bastos, morto neste ano. A homenagem será em frente ao palácio, quando será oferecida uma feijoada.

“A TURMA ESTÁ FIRME”

“A turma está firme”, disse ao PIMENTA o presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Moageiras de Cacau (Sindicacau), Luiz Fernandes Ferreira, que esteve nesta manhã com os integrantes do movimento. “No dia 6 [terça-feira], vamos parar Ilhéus”, disse ele. É o dia para o qual as centrais sindicais CTB, CUT e Força programaram novos protestos no município.

O sindicato comandado por Fernandes apoia, além do Reúne Ilhéus, a greve geral do funcionalismo ilheense. Os servidores da prefeitura local entram na terceira semana de paralisações. Eles cobram do prefeito Jabes Ribeiro reajuste salarial.

O gestor afirma que a folha hoje representa mais de 68% da receita municipal e, por isso, não poderia conceder reajuste. “A chance é zero”, disse Jabes numa entrevista ao PIMENTA.

O comando da greve geral afirma que o percentual é bem menor, situando-se na faixa dos 55%. Além disso, aponta aumento de gastos e de contratações de cargos de confiança (cargos comissionados).

Jornalista Davdson Samuel

Estudantes acampam na porta da Prefeitura de Ilhéus

Foto: Gabriel Almeida
Foto: Gabriel Almeida

Forçados pela justiça a desocupar o Palácio Paranaguá, sede do governo ilheense, manifestantes do movimento Reúne Ilhéus montaram acampamento em frente ao prédio. Eles pressionam o governo a determinar a redução da tarifa do transporte coletivo.

Na quarta-feira, 17, a juíza Carini Silva determinou a desocupação do palácio, sob pena de multa diária de R$ 2 mil. A Prefeitura alega ter solicitado informações sobre as planilhas de custos das empresas de ônibus e diz estar realizando licitação para contratar uma auditoria do serviço de transporte coletivo, a fim de verificar a possibilidade de redução da passagem.

Jornalista Davdson Samuel

Jabes tenta expulsar movimento do Reúne Ilhéus via judiciário

O juiz Kleber Roriz teria negado o pedido de liminar na ação de reintegração de posse pedida pelo prefeito de Ilhéus Jabes Ribeiro para desocupar o Palácio Paranaguá, tomado por estudantes do movimento Reúne Ilhéus.

Segundo informações vinda do Blog Agravo, o governo entrou com pedido às 20 horas da noite desta terça-feira (16), tendo o pedido negado em torno das 22 horas, com a alegação de que o governo teve o dia inteiro para pedir a desocupação, tentando o feito apenas durante a noite.

Até o momento o a prefeitura, Palácio Paranaguá, ainda se encontra ocupado pelos manifestantes, que lutam pela redução da tarifa de ônibus e a entrega dos balancetes das empresas de transporte público da cidade, Via metro e São Miguel.