Ex-ministra Eliana Calmon se filia ao PSB

Ascom/PSB
Eliana se filiou ao PSB (Foto: Ascom/PSB)

A ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Eliana Calmon se filiou ao PSB na manhã desta quinta-feira (19). O ato de filiação aconteceu em Salvador e contou com a presença do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e a coordenadora nacional da Rede Sustentabilidade, a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva.

Eliana afirmou ter recebido diversos convites de partidos políticos, mas que estava indecisa entre filiar-se à Rede e ao PSB. “Foi uma explosão no meu coração quando abri o jornal no dia no dia 6 de outubro e vi que a Rede estava no PSB. Não precisei mais escolher, o destino escolheu para mim”, afirmou.

Em seu discurso, Eduardo Campos indicou que Eliana pode se candidatar às eleições do próximo ano e a presidente estadual da legenda, senadora Lídice da Mata, lembrou que a ex-ministra do STJ pode vir a ser a terceira senadora pelo partido na Bahia.

Deputado afirma que ciclo Lula-Dilma deve acabar em 2014

Em discurso realizado nesta segunda-feira (7) o Deputado Federal Jutahy Junior afirma que o PSDB está em um bom momento, já que as eleições de 2014 podem terminar com o ciclo Lula-Dilma após o ex-Governador José Serra reafirmar seu compromisso com o partido e a ex-Senadora Marina Silva decidir ingressar ao PSB para apoiar a candidatura de Eduardo Campos.

PSB e PSDB enfrentarão o PT em 2014 (Foto: Divulgação)
PSB e PSDB enfrentarão o PT em 2014 (Foto: Divulgação)

Para Jutahy, “essa é uma decisão extremamente relevante para o processo político, porque agora nós temos dois blocos poderosos de enfrentamento ao PT: um é o PSDB, unido, e o outro é o PSB, fortalecido. E é importante ressaltar que o PSB, nesses 12 anos praticamente de lulopetismo, de Governo Lula-Dilma, teve inclusive Ministros seus no Governo do Presidente Lula, e a própria Marina também foi Ministra. Então, são forças que saem do Governo e que participam do processo, fortalecendo o campo da oposição”, dirscursa.

O partido quer terminar com o ciclo por motivo ético e moral. “Nada é mais representativo daquilo que aconteceu nesses 12 anos do que a questão do mensalão. Não há nada mais representativo do enfrentamento que se precisa ter nesse campo ético, porque o mensalão foi uma afronta às instituições, foi a coisa mais gritante e vergonhosa que já existiu num processo político democrático no nosso País”, diz o Deputado

Segundo ele, outra questão seria o encerramento do ciclo econômico baseado na ideia de crédito e consumo. Ele afirma que “o Brasil não tem capacidade mais de crescer baseado simplesmente em crédito e consumo e necessita uma nova Liderança para trazer o início de um novo ciclo econômico que tenha a capacidade de fazer o Brasil crescer como merece”.

O deputado conclui dizendo que o Governo Federal, no ciclo Lula-Dilma, diminuiu sua capacidade de investimento na saúde do Brasil em praticamente 10%, fazendo aumentar a participação dos Estados e Municípios. “Nós temos aí as concessões paralisadas, num conflito de ideologia, de incompetência, numa junção desses dois fatores. […] No meu Estado, por exemplo, nós estamos diante de uma situação gravíssima em relação à BR-101. Não conseguem fazer a duplicação porque não sabem se é por dinheiro público, se é concessão e a forma de se fazer essa concorrência. Nós temos lá já anunciada a conclusão da ferrovia Oeste-Leste e não temos nenhum porto pronto no Porto Sul, nem a ferrovia com nenhum trilho entre Luís Eduardo Magalhães e Caetité”, disse.

Jutahy acredita que agora, com dois blocos poderosos de enfrentamento ao PT, o país pode ficar mais esperançoso com as próximas eleições.