ANEL apoia a ocupação na prefeitura de Ilhéus

O movimento ativista ocupou o Palácio Paranaguá desde ontem (16/07), quando a ANEL divulgou sua posição. Com o dinamismo dos fatos recentes, é preciso considerar que o Palácio Paranaguá já foi desocupado (há poucos instantes) e o texto foi escrito ontem. Mas a validade dos seus argumentos permanece. Segue abaixo o conteúdo integral do documento apresentado pela Assembleia Nacional de Estudantes – Livre.

Nota Sobre a Ocupação da Prefeitura de Ilhéus

Na manhã de hoje (16/07), cerca de 60 integrantes do Movimento Reuni Ilhéus ocuparam o prédio da prefeitura. A ação que ocorreu de forma pacífica tem como objetivo principal conseguir a redução no valor da passagem do transporte coletivo para R$ 2,00. Desde o mês passado, quando houve um ato que reuniu mais de 5 mil pessoas, os integrantes do movimento vem tentando conquistar a redução no valor da passagem que é proporcionalmente um dos mais caros do país.

A ação foi deliberada após ter se encerrado o prazo de 24 horas dado pelos integrantes do Reuni para o executivo entregar os dados contábeis das empresas de ônibus. Poucos minutos após a ocupação o prédio foi fechado e até o momento não houve nenhum pronunciamento do poder público municipal. Parte do saguão do primeiro andar foi bloqueada por guardas que estão impedindo os manifestantes de ter acesso ao banheiro, como forma de fazer com que os mesmos saiam do prédio.

A situação do transporte público em Ilhéus é caótica, a população paga caro por um serviço de péssima qualidade (superlotação, espera prolongada nos pontos, ônibus velhos e sujos). Por esses motivos a intenção dos manifestantes é permanecer no local até que o prefeito decrete a redução no valor da passagem e para isso pedem o apoio da população de Ilhéus: sindicatos, associações e independentes.

Entendemos o transporte público como uma necessidade básica e um direito que deve ser assegurado pelo Estado a todo cidadão de forma gratuita e com qualidade, mas infelizmente hoje esse serviço é controlado pela iniciativa privada, dessa forma o lucro das empresas é priorizado em detrimento dos usuários. Esse esquema gera uma verdadeira máfia em que os empresários do transporte financiam as campanhas eleitorais e depois os vereadores e o prefeito asseguram seus lucros exorbitantes.

Precisamos exigir a municipalização do transporte público, sob o controle dos usuários e trabalhadores do transporte; passe-livre para estudantes, desempregados e idosos; e passagem a no máximo R$ 1,00 para os(as) trabalhadores(as). E acreditamos que a única forma de garantirmos esse direito é através da organização e da mobilização dos trabalhadores e da juventude. Venha fazer parte desse movimento em prol de mudanças que beneficiarão a todos!

“Se o presente é de luta o futuro nos pertence.”

Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre (ANEL)

Mais informações

Jabes não quer mais ser prefeito

Jabes Ribeiro - Atual Prefeito de Ilhéus-BA
Jabes Ribeiro – Atual Prefeito de Ilhéus-BA

Durante o I Debate e Estudo Técnico sobre as medidas de recondução das despesas com pessoal, promovido pela União Dos Municípios da Bahia (UPB), na semana passada, em Salvador, o prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, subiu ao palco para falar sobre a sua gestão e os problemas administrativo que enfrenta.

Em seu discurso, Jabes acabou revelando que já não tem interesse em disputar uma reeleição ao cargo de prefeito. De acordo com as falas dele, “Ilhéus está ingovernável“.

Ribeiro também soltou o verbo pra cima do Congresso Nacional, afirmando que o mesmo “é surdo” e que “só ouve quando o povo vai às ruas”, referindo-se às manifestações que ocorreram pelo Brasil nos últimos dias.

Texto O Tabuleiro