Morre mulher baleada no bairro Santo Antônio

Subida para o bairro Novo Horizonte no dia do crime (Foto: Ednaldo Pinto)
Subida para o bairro Novo Horizonte no dia do crime (Foto: Ednaldo Pinto)

Morreu neste domingo (24) Nilza Messias Santos, 44 anos. Ela foi atingida por estilhaços de uma bala calibre 12 em um tiroteio que aconteceu no bairro Santo Antonio no último dia 15 deste mês [relembre aqui].

Nilza baleada no momento do crime
Nilza baleada no momento do crime

Nilza sofreu uma infecção na metade do intestino e em um ovário após médicos do Hospital de Base não retirarem a bala [relembre aqui]. A família acusa o hospital por negligência médica.

Pais desabafam sobre negligência de médica do Hospital Manoel Novaes

Nesta segunda-feira (18) uma família passou por um grande constrangimento e desrespeito no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna. Segundo o pais de uma criança, há dez dias eles haviam levado a filha para o Centro Médico Pediátrico (antigo Ipep) e de lá foi encaminhada para o Manoel Novaes, ficando internada por um dia. Hoje, a menina voltou a passar mal e chegou a ficar desacordada por aproximadamente 10 min.

Assustados, após conseguirem reanimar a menina, os pais levaram ela novamente ao hospital, mas a médica Maria do Socorro se recusou a examinar a criança. Acompanhe o desabafo dos pais no vídeo abaixo.

Hospital Manoel Novaes recusa atendimento à gestante, mais uma vez

Outra vez o Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, se recusou a receber uma gestante. A negligência aconteceu no último sábado (21) após uma ambulância de Canavieiras chegar no local com a grávida, que estava em trabalho de parto.

Este não é o primeiro de negligência do hospital / Fotos: Ednaldo Pinto
Este não é o primeiro de negligência do hospital / Fotos: Ednaldo Pinto

De acordo com o motorista que trouxe a jovem Sinália, eles passaram por um hospital em Ilhéus e funcionários deram autorização para a moça ser trazida à Itabuna, pois seria um caso grave. Chegando na portaria do Manoel Novaes, sua entrada não foi permitida porque o hospital não tem convênio com Canavieiras.

A população ajudou carregar a moça e a colocaram em uma maca na porta do hospital. Só após 40 minutos de espera, quando o fotógrafo do Blog do Tom, Ednaldo Pinto, chegou no lugar, que resolveram atender a paciente. Sinália passa bem.

Bebê morto por suposta negligência médica é exumado

Delegada Sione Porto é responsável pelas investigações do caso

A Polícia Civil de Itabuna e agente do Departamento de Polícia Técnica realizaram na manhã deste domingo (8) a exumação do cadáver de Paulo Emanuel Santana Neto, bebê morto durante um parto na Maternidade Ester Gomes, em Itabuna, por suposta negligência médica no dia 28 de agosto. De acordo com a delegada Sione Porto, o que motivou a exumação do corpo foi a denúncia feita ao Ministério Público através dos pais do menino. No entanto, Paulo Neto foi sepultado sem o exame médico legal. “Sem o laudo não podemos seguir adiante, por isso a exumação”, explica. O menino nasceu no último dia 26 de agosto e, ao morrer, os pais acusaram o médico responsável pelo parto Luiz Leite (relembre).

Médico é acusado por morte de bebê em Itabuna

Um médico está sendo acusado de negligência pela morte de um bebê após o parto na Maternidade Ester Gomes, em Itabuna. O profissional é o mesmo que cobrou pela realização de um parto pelo SUS no início do mês de agosto.

“Não era mais para ela ter [parto] normal pelo fato da demora, ela não tinha mais força, e esse médico extraiu meu filho com força bruta. Ele sabia muito bem que podia ter feito a [cirurgia] cesárea e não fez. Optou pelo parto normal e quase mata minha esposa também”, diz Daniel Leão, pai da criança.

Paulo Emanoel Santana Leão nasceu na maternidade Ester Gomes na segunda-feira (26) às 14h10, pesando pouco mais de quatro quilos. O bebê morreu na manhã de quarta-feira (28) e a causa, segundo a certidão de óbito, foi uma fratura no braço e sofrimento fetal.

A direção do hospital disse que uma reunião será realizada nesta quinta-feira (29) para discutir a denúncia. O médico não quis comentar o assunto com a imprensa.

Susto
Ainda segundo Daniel, o parto da mulher foi demorado e o bebê foi para o quarto com a cabeça e o braço enfaixados. “Quebrou o braço do meu filho em vários lugares, [tinha] hematoma na cabeça e no tórax da criança. Um sonho, e por causa de negligência de médico e de hospital, a gente perdeu esse sonho. Não vou calar pra não acontecer com mais ninguém”, indigna-se Daniel.

Denúncia anterior
O médico obstetra que atendeu a esposa de Daniel já foi alvo de denúncia na mesma maternidade que atende pelo SUS. Ele cobrou R$1.200 para fazer o parto de uma adolescente de 16 anos. A direção do hospital obrigou o médico a devolver o dinheiro à família.

 Fonte: G1

Vitória da Conquista: Idosa morre em corredor de hospital ao esperar 18 dias por cirurgia

Uma dona de casa morreu em Vitória da Conquista enquanto esperava por cirurgia no Hospital Regional. Ela ficou quase 20 dias deitada no corredor da unidade hospitalar e teve um acidente vascular cerebral enquanto aguardava a cirurgia. Maria de Lourdes, de 65 anos, morreu nesta quinta-feira (27).

De acordo com a família, a idosa morreu por negligência médica. Ela foi levada para o hospital no dia 11 deste mês, por causa de uma fratura na perna. “O médico já estava encaminhando para fazer a cirurgia, aí falou que tinha que aguardar a vaga da cirurgia. Ela teve que aguardar em uma cadeira de plástico do hospital. Ela ficou dias em uma cadeira de plástico, até criar as feridas”, detalhou Nathália Seroa, vizinha e amiga.

“Ela ficou no corredor durante 18 dias. Eu dormi no chão com ela e eles não tomaram nenhuma providência. Falou que ia operar ela na quinta-feira, não operou, falou que ia operar na sexta-feira, não operou. Aí deu infecção no pulmão. Eles não tomaram nenhuma providência. Minha mãe aí começou a delirar. Ela já não estava bem”, apontou Valdirene Alves dos Santos, a filha da vítima.

O Hospital Geral de Vitória da Conquista encaminhou uma nota de esclarecimento informando que a paciente recebeu todos os cuidados médicos necessários para o internamento e que a cirurgia ainda não havia sido realizada porque existia uma fila de espera. Segundo a unidade de saúde, a prioridade é para os casos de maior gravidade. O hospital disse ainda que esperava a melhoria no quadro clínico de Maria de Lourdes, já que ela teve um AVC e precisava melhorar para realizar a cirurgia.