Reúne Ilhéus faz indicação oficial para auditoria de coletivos

Documento carimbado pela Prefeitura
Documento carimbado pela Prefeitura

Na última terça-feira (3) o prefeito Jabes Ribeiro anunciou que a Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe) foi contratada para realizar a auditoria do transporte coletivo ilheense. Mas nesta quinta-feira (5) o movimento Reúne Ilhéus enviou um documento oficial à Prefeitura informando sua própria indicação de auditor independente para compor os trabalhos de avaliação contábil. O movimento social será representado pelo Sindicato de Contabilistas de Ilhéus.

Segue abaixo a transcrição do documento emitido pelo Reúne Ilhéus.

“O movimento Reúne Ilhéus, seguindo o acordado entre a Prefeitura Municipal de Ilhéus e representações do grupo, realiza, por meio deste ofício, sua indicação de auditor independente, reconhecendo que essas indicações estão subordinadas à Lei de Regência da profissão contábil – Decreto Lei 9.295/46 e à regulamentação do exercício da atividade profissional emanada do Conselho Federal de Contabilidade e à orientação técnica emanada do Instituto Brasileiro de Contadores. É indicação do movimento o Sindicato de Contabilistas de Ilhéus, fundado em 27 de maio de 1994, CNPJ: 40.740.342/0001-62 de endereço Almirante Barroso, número 137, sala 501, Edf. Paranaguá. Centro, CEP: 45653-135, Ilhéus, Bahia.

Entendemos que o andamento da Auditoria sobre o transporte coletivo, debatida entre o Poder Público e o movimento social, representa uma vitória da democracia e governabilidade. O Reúne Ilhéus espera, naturalmente, a transparência dos trabalhos e ampla comunicação entre a administração pública e a população acerca do processo.”

Informações: Blog do Gusmão

Reúne Ilhéus: Nota Pública

O movimento REÚNE ILHÉUS surgiu a partir de um interesse popular e espontâneo em colaborar com a construção e controle social de políticas públicas na cidade de Ilhéus, sendo seu primeiro foco o transporte coletivo, acompanhando a onda nacional de levantes sobre o tema, que parte de uma discussão repleta de prerrogativas sobre a municipalização, ampliação e melhoramento dos serviços públicos. Dada a terrificante realidade do transporte coletivo em Ilhéus, o movimento cresceu em força e argumento, atingindo níveis de estudo de documentação e investigações ainda maiores que poderia tencionar. Pela defesa da dignidade humana e do cidadão ilheense, respeitando seu direcionamento político, o REÚNE ILHÉUS sempre se apresentou como um grupo SUPRAPARTIDÁRIO, ou seja, estamos acima de qualquer partidarismo, embora nossa composição abarque membros de vários partidos e também apartidários. Anteontem, dia 16 de agosto, alguns integrantes do movimento realizaram uma viagem para Salvador em obrigações particulares, desvinculadas das atividades da ocupação e movimento. Num ato de descuido, alguns deles, até mesmo pela forte integração à causa e sentido orgânico do grupo, usaram o termo “Membros do REÚNE ILHÉUS” para legendar uma imagem inserida numa situação partidária. O REÚNE ILHÉUS nega essa associação com veemência.

Convidamos, também, toda a população de Ilhéus para acompanhar o requerimento da Comissão Especial de Inquérito sobre o transporte coletivo na cidade, uma denúncia que o movimento elaborou através de um massivo trabalho sobre a caixa preta do transporte. Venham todos conhecer a realidade da ocupação em frente à Prefeitura. Juntos somos muitos.

Jabes tenta expulsar movimento do Reúne Ilhéus via judiciário

O juiz Kleber Roriz teria negado o pedido de liminar na ação de reintegração de posse pedida pelo prefeito de Ilhéus Jabes Ribeiro para desocupar o Palácio Paranaguá, tomado por estudantes do movimento Reúne Ilhéus.

Segundo informações vinda do Blog Agravo, o governo entrou com pedido às 20 horas da noite desta terça-feira (16), tendo o pedido negado em torno das 22 horas, com a alegação de que o governo teve o dia inteiro para pedir a desocupação, tentando o feito apenas durante a noite.

Até o momento o a prefeitura, Palácio Paranaguá, ainda se encontra ocupado pelos manifestantes, que lutam pela redução da tarifa de ônibus e a entrega dos balancetes das empresas de transporte público da cidade, Via metro e São Miguel.