PM acaba com farra do “beijo imunizado” em Itacaré

A Polícia Militar acabou, na madrugada desta sexta-feira (19), um evento clandestino denominado “Festa do beijo imunizado”, que reunia, ao menos, 250 pessoas, em um sítio em Itacaré. Os participantes estavam aglomerados e sem utilizar máscara, que é de uso obrigatório no município.

De acordo com a PM, os organizadores da festa cobravam por cada ingresso e havia consumo bebidas alcoólicas. Além disso, foram encontradas caixas de isopor com bebidas numa tenda montada ao lado de um casarão, que fica no meio de uma mata fechada.

A polícia informou ainda que os participantes “tiveram a cara de pau” de argumentar que a festa clandestina foi batizada de “Festa do beijo imunizado” porque eram jovens e, por isso, tinham imunidade contra o corona vírus. Os responsáveis foram levados para a delegacia da Polícia Civil de Itacaré.

Emergência fica sem energia e funcionários denunciam 11 mortes após curto-circuito

Funcionários apontam que 11 pessoas morreram durante falta de energia / Imagem: Divulgação
Funcionários apontam que 11 pessoas morreram durante falta de energia / Imagem: Divulgação

Em Feira de Santana, um curto-circuito gerado em uma tomada do Hospital Geral Clériston Andrade deixou parte da emergência sem energia por quase 10 minutos no último sábado (21).

Segundo o advogado Ronaldo Mendes, maqueiros denunciaram que o problema pode ter provocado 11 mortes. Ele entrou com uma representação no Ministério Público. Já o diretor do hospital, José Carlos Pitangueiras, declarou que a denúncia não procede e vai investigar se o curto-circuito foi criminoso.

José Carlos informou que ocorreram oito óbitos no sábado, nenhum deles no intervalo da queda de energia. Ainda segundo Pitangueiras, o hospital tem quatro geradores. A Coelba negou que tenha ocorrido queda de energia na região do hospital.

SP: Prédio desaba e deixa pelo menos 6 mortos

Carros ficaram cobertos por escombros (Foto: Wesley Rodrigo/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Carros ficaram cobertos por escombros (Foto: Wesley Rodrigo/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Pelo menos seis pessoas morreram no desabamento de um prédio ocorrido na manhã desta terça-feira (27) na região de São Mateus, na Zona Leste de São Paulo. A informação foi confirmada às 11h pelo Corpo de Bombeiros. O desabamento total do prédio de dois pavimentos ocorreu por volta das 8h30 na Avenida Mateo Bei, próximo à Avenida Maria Cursi. A estimativa é que pelo menos 25 operários trabalhavam na obra de construção de uma loja da rede Torra Torra no momento do acidente. Segundo a Subprefeitura de São Mateus, antes do início da obra, um posto de gasolina funcionava no local.

Até as 11h, pelo menos 20 pessoas haviam sido socorridas – a maior parte delas com ferimentos de intensidade leve e moderada -, segundo a GloboNews. Uma das vítimas, em estado grave, foi levada para o Hospital das Clínicas. No horário, os bombeiros ainda procuravam por outras vítimas sob os escombros – esse número pode chegar a dez. Uma vítima soterrada mantinha contato com os bombeiros por celular no horário. Ela relatava dor – as pernas ficaram presas nos escombros.

Em nota, o Magazine Torra Torra informou que o imóvel não era de propriedade da rede. Segundo a empresa, havia um contrato de locação do prédio e a rede só assumiria o imóvel finalizadas as obras estruturais pelo proprietário – o nome dele não foi informado.

“O Magazine Torra Torra não tem nenhuma responsabilidade sobre a parte de engenharia civil. No momento, uma empresa de engenharia contratada pelo Magazine Torra Torra realizava uma avaliação sobre as condições de uso do prédio. Caso esse laudo técnico fosse positivo, atestando a segurança estrutural, a rede então faria o acabamento para abrigar mais uma unidade.  Ressalte-se que o Torra Torra somente entraria com a loja no local, com esse aval técnico. Este é um cuidado que o Magazine Torra Torra toma em todas as lojas da rede, devidamente avaliadas quanto à segurança estrutural, de acordo com engenheiros, para receber nossos empreendimentos”, informa o texto.

Casas e pelo menos três carros que estavam nas ruas em volta do prédio foram atingidos pelo concreto que cedeu. No horário, 23 carros dos bombeiros, 69 homens, dois helicópteros e dois cães de salvamento trabalhavam no resgate das vítimas.

A obra deverá passar por perícia da Polícia Técnico-Científica para apurar as causas do desabamento. A Polícia Militar informou que nenhuma das vítimas resgatadas relatou ter ouvido uma explosão ou cheiro de gás natural. Elas afirmam que houve um colapso estrutural.

 Fonte: G1

Itabuna tem redução de 26% em homicídios entre Janeiro e Julho

Centro e bairros circunvizinhos. Foto: Ed. Pinto
Centro e bairros circunvizinhos. Foto: Ed. Pinto

A 6ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), com sede em Itabuna, anunciou, nesta quinta-feira (8), que houve uma redução significativa no número de homicídios registrados nos primeiros sete meses deste ano, em comparação com igual período de 2012, naquele município. Segundo o coordenador regional, delegado Evy Paternostro, entre janeiro e julho de 2013, foram registrados 77 homicídios, contra 104, no mesmo período do ano passado, o que representa uma queda de 26 por cento.

Paternostro informou ainda que o mês de julho apresentou a maior redução no período, com apenas quatro homicídios registrados, contra 14 no mesmo mês de 2012. Segundo o delegado, esta diminuição vem ocorrendo gradativamente desde fevereiro e, entre os fatores que contribuíram para os números atuais, ele destaca a atuação da Delegacia de Homicídios (DH/Itabuna), que tem intensificado as investigações para identificar responsáveis, o cumprimento de mandados, as prisões em flagrante e o indiciamento de criminosos.

Na avaliação do coordenador da 6ª Coorpin, o trabalho integrado com a Polícia Militar no combate ao tráfico de drogas também contribuiu para a queda dos índices de crimes violentos letais intencionais (CVLIs), em Itabuna.

“A transferência de líderes do tráfico de drogas, já presos, para presídios de Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) e o encaminhamento, de alguns deles, para outros estados também colaboraram para a redução dos crimes de homicídio no município”, ratificou o delegado.

Jornalista Daniel Thame

Balanço sobre o feriadão na região

O feriadão que se estendeu da sexta-feira (21) até esta segunda-feira (24) foi relativamente tranquilo em Itabuna. Nesse período, quatro pessoas foram assassinadas na região e uma vítima de tentativa de homicídio se recupera no Hospital de Base. Já nas estradas o movimento foi grande. Segundo a Polícia Rodoviária, foram 188 acidentes na região, envolvendo 85 pessoas feridas e 12 mortes. Os locais mais perigosos foram a BR-101 e BR-116.

Quanto aos festejos no São João o clima foi de festa. No Hospital Manoel Novaes não houve nenhuma entrada de pessoas com queimaduras (apenas uma menina que se queimou com água quente); no Hospital Calixto também não houve ocorrência por queimadura e corpo de bombeiros  não recebeu chamados.

Dados revelam números de homicídios em Ilhéus e Itabuna no ano passado

De acordo com a Secretaria Estadual de Segurança Pública da Bahia (SSP/BA), confirmam o que os moradores perceberam nos bairros periféricos de Itabuna e Ilhéus durante o ano passado: a guerra entre traficantes causou a média de um assassinato a cada 48 horas. Os números da SSP/BA, aos quais o jornal A Região teve acesso na última quinta-feira (13) revelam que 2012 foi o ano mais violento da história. Em Itabuna foram 172 homicídios (doloso) e 179 tentativas na guerra sangrenta entre os criminosos dos raios A e B do Conjunto Penal.
Estão incluídos ainda os casos de roubo seguido de morte. No ano passado, houve aumento de 20 assassinatos em relação a 2011, quando ocorreram 154 mortes provocadas por armas de fogo ou branca. Foram 144 homicídios (doloso) e 10 roubos seguidos de mortes (latrocínio). Em Ilhéus, não houve guerra declarada entre os criminosos, mas a realidade não foi deferente de Itabuna. No município aconteceram 148 assassinatos, contra 106 do ano anterior. No ano passado 14 vítimas de roubo foram executadas depois pelos bandidos. A polícia ilheense contabilizou ainda 90 tentativas de morte. De acordo com a SSP, cerca de 90% das mortes em Itabuna e Ilhéus estão relacionadas com a guerra entre traficantes.