Taxistas já podem usar Bandeira II e agradecem à Prefeitura pela liberação

Eduardo Cardoso (de vermelho) e taxistas (Foto: Ednaldo Pinto)

Em nome de todos os taxistas da cidade o presidente do Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários de Itabuna, Eduardo Cardoso, agradece ao prefeito Claudevane Leite e ao Secretário de Transporte e Trânsito Clodovil Moreira pela liberação da Bandeira II no mês de dezembro.

Através do decreto nº 10.686, de 29 de novembro, publicado na edição nº 450 do Diário Oficial do Município, a frota de 596 táxis cadastrados recebeu autorização da Prefeitura, garantindo o 13º salário destes profissionais.

A liberação da Bandeira II atende à solicitação apresentada ao secretário Clodovil Soares pelo Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários e da Cooperativa dos Taxistas de Itabuna.

O decreto entrou em vigor no dia 1º de dezembro e vale até 31 de dezembro.

Maconha pode ser liberada para plantio no Brasil em 2014

Pé de maconha (Foto: Divulgação)
Pé de maconha (Foto: Divulgação)

Formas para liberação do plantio de maconha no Brasil em 2014 estão sendo estudadas pelo Ministério da Agricultura com o Ministério da Saúde. Após um pequeno avanço, este feito está mais próximo de acontecer.

O ministro da Agricultura, Carlos Dias, disse em recente entrevista que o setor automotivo está bastante empolgado com o plantio de maconha, já que estudos comprovam que o óleo extraído da cannabis (nome científico da maconha) é altamente explosivo, podendo ser usado como um futuro combustível para nossos carros, aviões e motos.

“Estudos indicam que a maconha pode fornecer um combustível tão bom ou ainda melhor do que a gasolina. Estamos interessados nisso e a Petrobrás é nossa parceira nesta empreitada”, disse Carlos.

Quanto ao uso da planta para consumo, se o plantio realmente for liberado, pessoas de todo o Brasil poderão ter em seu quintal algumas mudinhas de cannabis. O ministro disse que o Ministério da Saúde ainda está estipulando quantos pés de maconha cada cidadão poderá ter em casa, mas provavelmente não passará de 50 pés.

Família de homem decapitado não consegue liberação do corpo

Fotógrafo: Ednaldo Pinto
Fotógrafo: Ednaldo Pinto

A família de Ailton Lopes da Silva, sequestrado e morto na madrugada desta segunda-feira (2), está desesperada por não conseguir liberar o corpo para sepultamento. A questão é que mesmo após os membros da família da vítima terem reconhecido o cadáver, a Polícia Técnica quer fazer um exame de DNA com o sangue da filha de Ailton, mas o resultado só fica pronto em três meses. Neste momento os familiares estão no Complexo Policial de Itabuna tentando fazer a liberação do corpo.

Caso

Na noite de domingo (1º) o mototaxista Ailton Lopes da Silva, de 40 anos, foi sequestrado após estacionar seu carro no centro da cidade. Segundo informações da polícia, Ailton havia saído por volta das 20 horas para guardar o carro e não retornou para casa. Sua esposa, Dayara Souza, foi informada pelo funcionário de uma sorveteria que a vítima teria estacionado seu veículo Uno Branco ao lado da Caixa Econômica e atravessou a Praça Camacã. Logo em seguida ele teria sido abordado por três indivíduos armados em dois carros – um Golfe Prata e um Celta Preto -, que os jogaram no banco traseiro de um dos carros e seguiram em direção à Catedral. O veículo de Ailton permaneceu no lugar, mas informações dão conta de que viram o carro dele no bairro Conceição à 1 hora da manhã e às 3 horas no Bairro de Fátima.

Na segunda-feira (2) de madrugada, um corpo foi encontrado em uma área rural de Ibicaraí com o corpo decapitado e as mãos decepadas. A família de Ailton compareceu ao DPT e reconheceu que o cadáver era de fato o mototaxista sequestrado.

Polícia não libera corpo de homem dado como morto em 2012

Imagem Ilustrativa
Imagem Ilustrativa

Um homem morreu na madrugada deste domingo (4) no bairro Califórnia. De acordo com informações da polícia, o jovem foi baleado e o corpo encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Itabuna. A família não consegue retirar o corpo da vítima do DPT, já que em 2012, a vítima foi sepultada por engano e teve um atestado de óbito retirado em seu nome, que de acordo com a polícia é Pedrito de Jesus Conceição.

A polícia informa que em 2012 o irmão da vítima havia reconhecido o corpo de um homem no DPT, como sendo de Pedrito. A família fez o enterro e recebeu a certidão de óbito em nome dele. Um mês depois do “falso enterro”, Pedrito chegou em casa e a família se deu conta da confusão. O irmão entrou na Justiça com um pedido de anulação da certidão de óbito, que até o domingo (4), não foi liberada.

O DPT disse que não pode liberar o corpo de um homem que já tem certidão de óbito, por isso, aguarda a decisão da Justiça para a anulação a certidão de 2012 para que o corpo possa ser enterrado.

Fonte: G1