Cidades do interior da Bahia em onda de protestos

Foto: Ednaldo Pinto

Manifestantes de toda a Bahia também foram às ruas ontem em, pelo menos, 16 cidades. No entanto, diferentemente do que aconteceu em Salvador, com muito “quebra-quebra”, os protestos transcorreram de forma pacífica em todas as localidades – incluindo Feira de Santana, Valença, Santo Antônio de Jesus, Jequié, Itaberaba e Porto Seguro. Além dessas cidades, manifestações ocorreram em Mundo Novo, Juazeiro, Jacobina, Itabela, Paulo Afonso, Teixeira de Freitas, Brumado, Itabuna, Ilhéus e Seabra.

Em Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, os manifestantes saíram da Praça do Colégio Gastão Guimarães em direção ao prédio da prefeitura. A estimativa da PM é que 10 mil pessoas tenham participado. “Tudo foi muito tranquilo. Nos solidarizamos com a pauta nacional, mas também reivindicamos questões locais, como a melhoria da educação e a redução da taxa de iluminação pública”, contou a professora Lucélia Marinho, 31 anos, uma das participantes.

Já em Jequié, no Sudoeste do estado, mais de seis mil pessoas foram às ruas, segundo a PM. Os manifestantes, que pintaram a máscara no rosto, percorreram ruas da cidade até chegar na Praça da Câmara Municipal. “Não somos os cara-pintadas, mas muita gente usou isso como protesto. Cantamos o Hino Nacional várias vezes, pedimos por novos livros e por uma educação melhor”, descreveu o servidor público Luciano Medina, 29.

Em Porto Seguro, os participantes estimaram que cerca de quatro mil pessoas  compareceram  à manifestação. “Estamos unindo forças para reivindicar não só pela passagem. É pela saúde, é pela educação. E desde o início deixamos claro que não queríamos violência”, disse o comerciante Samaicon Sousa, um dos organizadores do movimento.

Em Itabuna cerca de 3 mil pessoas saíram as ruas para exigirem seus direitos. O manifesto partiu da praça do bairro São Caetano e fizeram uma pausa em frente a prefeitura para entregarem um documento com reivindicações ao prefeito. Em seguida caminharam até o centro da cidade, encerrando no final da avenida Juracy Magalhães. A Polícia Militar acompanhou todo a manifestação, que foi pacífica.