Grupo de 300 índios ocupam fazendas em Olivença

Cerca de 300 índios Tupinambás voltaram a ocupar três fazendas na região entre Ilhéus e Olivença. Segundo o cacique Sinval Tupinambá, um dos líderes do grupo, eles deixaram a área em março deste ano, em cumprimento a um mandado de reintegração de posse a favor dos fazendeiros.

Ainda de acordo com o cacique, eles descobriram que as reintegrações foram suspensas na Justiça, e então resolveram ocupar novamente as fazendas. A Polícia Militar e Força Nacional fazem a segurança do local. A Polícia Federal disse que ainda está se informando a respeito da situação.

Uma das fazendas tem 20km de extensão e fica às margens da BA-001. O local já havia sido ocupado pela mesma tribo em 2013.

Segundo a cacique Maria Jesuína, em um outra fazenda, onde já funcionou uma pousada, vivem cerca de 162 famílias indígenas que estavam morando no local e pagando aluguel ao dono da fazenda, mesmo a área fazendo parte do território em disputa. Ainda segundo a cacique, os índios recebem constantes ameaças do fazendeiro, que se recusa a sair do local com a família.

FORÇA NACIONAL FICARÁ POR MAIS 90 DIAS NA ZONA DE CONFLITO

A atuação da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) nas cidades de Buerarema, Una e Ilhéus, foi prorrogada por mais 90 dias. A finalidade é preservar a ordem pública e a segurança das pessoas e do patrimônio, tendo em vista os conflitos entre indígenas e produtores rurais, que disputam o controle de terras na região.  Até o momento não houveram registros de conflitos diretos entre pequenos produtores, índios, ou os policiais da Força Nacional.

SSP disponibiliza mais 100 homens para atuar em Buerarema

Com o objetivo de reavaliar os trabalhos das forças de segurança na região de Buerarema, o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, se reuniu, na tarde desta quinta-feira (6), com representantes do Ministério da Justiça, Força Nacional e polícias Federal, Militar e Civil.

Barbosa anunciou o aumento do apoio às forças federais, com a intensificação das blitz e policiais no município e áreas vizinhas. Segundo ele, as ações de inteligência no sul do estado também serão ampliadas com o objetivo de evitar novos conflitos.

Oitenta policiais militares darão o apoio, na realização de blitz e para apreensão de armas de fogo, veículos irregulares e entorpecentes em Buerarema e região”, garantiu Barbosa, que, ao lado de Hélio Jorge Paixão, delegado-geral da Polícia Civil, também anunciou a participação de mais 20 policiais civis para agilizar as investigações.

Participaram ainda da reunião o diretor da Força Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Alexandre Aragón, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alfredo Castro, e os delegado César Martinez e Marcus Vinícius de França Moreira, representando a Polícia Federal, dentre outras autoridades.

Supostos índios jogam coquetéis molotov em comboio da Força Nacional

Buerarema – Durante mais uma reintegração de posse na tarde desta terça-feira (4), na Serra Padeiro, supostos índios fizeram uma emboscada em um comboio de Agentes da Força Nacional de Segurança, Policiais Federais, representantes da FUNAI e um caminhão baú.

Segundo informações, os “índios” jogaram coquetéis molotov e pedras no caminhão que seguia com móveis retirados da propriedade rural que foi reintegrada. Houve troca de tiros entre os “tupinambás” e os policiais.

Quatro pessoas ficaram feridas, são elas: Welington Silva de Menezes, Evanilson Santos Santana, Gilmar Santos Santana e Marcelo Costa Silva Gama.

No grupo de supostos indígenas, foram identificados alguns homens, entre eles, os dois irmãos de Babau, Baiaco e Gil. Os dois são apontados por fazendeiros como os responsáveis pela liderança de diversas invasões.

Buerarema: Força Nacional prende homem, população pensa que é índio e cerca delegacia

Na tarde desta terça-feira (10) a Força Nacional de Segurança prendeu um homem na Serra do Padeiro, em Buerarema, por porte ilegal de arma. De acordo com o delegado Francesco Santana, a população pensou que o rapaz era um índio e cercou a delegacia.

“Ele foi abordado na estrada que dá acesso à aldeia dos Tupinambás [de Olivença] e o centro de Buerarema. A comunidade, que já está exaltada, pensou que se tratava de índio e se aglomerou na porta da delegacia. Havia possibilidade de linchamento. Ele não é índio”, diz o delegado.

Francesco afirma ainda que o detido portava uma espingarda de calibre 36 – geralmente usada para caça – e alegou que não iria usar a arma para prática de crimes. “Ele falou que costuma caçar, que a arma estava desmontada e desmuniciada. Ele foi conduzido, autuado e arbitrei fiança”, aponta aponta o delegado. “Não é permitido a ninguém usar arma sem porte”, ressalta.

O coordenador regional da Fundação Nacional do Índio (Funai), Ednaldimar Barbosa, também afirmou que a pessoa presa é um não-índio.

Fotos: Ednaldo Pinto
Fotos: Ednaldo Pinto

“Os índios já fizeram a retomada de toda as terras [da Serra do Padeiro], só ficaram os micro-proprietários. Essa pessoa disse que estava com espingarda para caçar e foi levada. Como achavam que era um indígena, a população fez uma tentativa de linchamento”, comenta.

Força Nacional chega à Buerarema para reforço

Força Nacional chegou à Buerarema nesta segunda-feira (19). / Imagem Ilustrativa
Força Nacional chegou à Buerarema nesta segunda-feira (19). / Imagem Ilustrativa

Dezenas de homens da Força Nacional de Segurança chegaram na tarde desta segunda-feira (19) em Buerarema para evitar novos conflitos entre índios tupinambás e fazendeiros. A área em disputa tem 47 mil hectares e fica entre Ilhéus, Una e Buerarema. A disputa começou depois que a Funai divulgou um estudo que indicou que o território já tinha sido morada de povos indígenas no passado.

Desde a última quarta-feira (14), a situação se agravou quando propriedades foram invadidas e os donos agredidos. Houve reforço policial, mas por determinação do Ministério da Justiça, a Força Nacional foi acionada.

A equipe se reuniu com a Polícia Federal em Ilhéus na segunda-feira para definir um plano de combate à violência na região. Em seguida foram para Buerarema onde devem permanecer até que a situação seja controlada.

Informações: Blog do Gusmão