Novembro é dedicado à Dia da Consciência Negra em Itabuna

O próximo dia 20 de novembro é comemorado o Dia da Consciência Negra e por isso, em Itabuna, este mês será marcado por uma vasta programação festiva e cultural. As secretarias municipais da Assistência Social e Educação, a Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC) e a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) se uniram ao Coletivo de Entidades Negras do município para elaborar a programação que será aberta neste sábado (9) a partir das 14 horas com exposições sobre a cultura negra em diversos locais.

Cultura negra será representada em novembro (Foto: Divulgação)
Cultura negra será representada em novembro (Foto: Divulgação)

A primeira delas será na Escola Municipal Bispo Dom Ceslau Stanula, no Bairro Pedro Jerônimo, onde serão expostas indumentárias e adereços de povos de matriz africana. Outra exposição mostrará a cultura africana com esculturas, pinturas e instalações com a temática negra. Também haverá batizado e entrega de cordões do Grupo Encantarte Capoeira.

Na sequência haverá exibição de dois documentários: “Encantarte: uma arte que encanta”, resultado de pesquisa de campo como trabalho de conclusão do Curso de Comunicação Social da UESC, e “A presença Negra na Região Grapiúna, (um tributo a Mario Gusmão)”, produzido por Comunidades Tradicionais de Matriz Africana. Esse evento acontecerá dia 17, na Praça Santa Maria, no bairro Maria Pinheiro, a partir das 18 horas.

Dentro da programação haverá outras atividades, a exemplo do “Novembro de Direitos e Identidades Negras da UESC”, Roda de Conversa com movimentos Sociais e Culturais Negros da Região, no Auditório do Centro de Arte e Cultura, com conferência de abertura da procuradora de Justiça de Pernambuco, Bernadete Azevedo. Já no dia 19, ainda na Uesc, haverá roda de conversa sobre Atenções da Rede de Museus e Memoriais dos Terreiros de Candomblés da Bahia, além de apresentações culturais

No centro de Itabuna vai acontecer uma passeata com a participação do Grupo Humanus para mostrar o trabalho de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis. Este evento acontece dia 19, a partir das 16 horas, com saída do Jardim do Ó em direção ao “Monumento à Zumbi dos Palmares, na Av. Princesa Isabel.

No mesmo dia em uma vigília no Monumento os participantes acenderão velas e soltarão fogos com manifestações de dança, maculelê, poesia e denúncias contra o racismo. Tudo em meio a um ambiente ricamente decorado com flores, tecidos nas cores do Continente Africano e muito vinho.

Um dos destaques da programação será o concurso Beleza Negra que tem o objetivo de eleger a negra e o negro que representarão o movimento por um ano. Os candidatos precisam saber dançar e ter compromisso com a causa. O evento acontecerá no dia 20, a partir das 16h30min na Praça Octávio Mangabeira. A programação será encerrada no dia 29 com uma noite cultural recheada de dança, poesia e música, a partir das 18 horas no Colégio Amélia Amado, no bairro São Caetano.

Bolsa Família completa dez anos e Governo comemora

Nesta quarta-feira (30)  a presidente Dilma Rousseff e vários ministros participam de cerimônia em comemoração aos dez anos do Bolsa Família. O evento será às 11h no Museu da República. Também estarão presentes parlamentares e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Atualmente, 13,8 milhões de famílias recebem o Bolsa Família, o que representa  50 milhões de pessoas.  Com o programa, 36 milhões de brasileiros saíram da linha de pobreza extrema.

Como parte das comemorações, será lançado às 16h, também no Museu da República, o livro Programa Bolsa Família – Uma Década de Inclusão e Cidadania. A iniciativa é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Ministério do Desenvolvimento Social.

O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos e presidente do Ipea, Marcelo Neri, e a ministra Tereza Campello apresentam a obra. Os artigos reunidos na publicação traçam um panorama da evolução do programa, resgatam as principais contribuições do Bolsa Família para as políticas de assistência social e apresentam dados sobre seu impacto nos indicadores de saúde, educação e proteção social e na redução da pobreza.

Itabuna comemora Dia Nacional do Surdo

Linguagem de sinais
Linguagem de sinais

Na próxima quinta-feira (26), Dia Nacional do Surdo, a data será comemorada em Itabuna com uma extensa programação, incluindo a realização do 5º Encontro de Surdos, com palestras, lançamento de livro, coquetel, tarde de lazer e qualidade de vida, além de serviços de orientação e encaminhamentos nas áreas de Serviço Social e Psicologia. Leia mais…

FICC faz evento comemorativo dos 101 anos de Jorge Amado

Neste sábado (10) acontece a comemoração dos 101 anos de nascimento do escritor grapiúna Jorge Amado e será marcada por apresentações de dança, música, capoeira e teatro na Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC) na Praça Laura Conceição, centro. A entrada é franca.

O escritor Jorge Amado nasceu a 10 de agosto de 1912, na fazenda Auricídia, no distrito de Ferradas, município de Itabuna, sul da Bahia. Era filho do fazendeiro de cacau João Amado de Faria e de Eulália Leal Amado.

Com um ano de idade, foi para Ilhéus, onde passou a infância. Fez os estudos secundários no Colégio Antônio Vieira e no Ginásio Ipiranga, em Salvador. Neste período, começou a trabalhar em jornais e a participar da vida literária, sendo um dos fundadores da Academia dos Rebeldes.

Publicou seu primeiro romance, O País do Carnaval, em 1931. Casou-se em 1933, com Matilde Garcia Rosa, com quem teve uma filha, Lila. Nesse ano publicou seu segundo romance, Cacau.

Formou-se pela Faculdade Nacional de Direito, no Rio de Janeiro, em 1935. Militante comunista, foi obrigado a exilar-se na Argentina e no Uruguai entre 1941 e 1942, período em que fez longa viagem pela América Latina. Ao voltar, em 1944, separou-se de Matilde Garcia Rosa.

Em 1945, foi eleito membro da Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do Partido Comunista Brasileiro (PCB), tendo sido o deputado federal mais votado do Estado de São Paulo. Jorge Amado foi o autor da lei, ainda hoje em vigor, que assegura o direito à liberdade de culto religioso. Nesse mesmo ano, casou-se com Zélia Gattai.

Em 1947, ano do nascimento de João Jorge, primeiro filho do casal, o PCB foi declarado ilegal e seus membros perseguidos e presos. Jorge Amado teve que se exilar com a família na França, onde ficou até 1950, quando foi expulso. Em 1949, morreu no Rio de Janeiro sua filha Lila. Entre 1950 e 1952, viveu em Praga, na então Tchecoslováquia, onde nasceu sua filha Paloma.