Vítimas de chacina em Itacaré são identificadas

Janela e porta tem marcas de incêndio (Foto: Itacaré Urgente)
Janela e porta tem marcas de incêndio (Foto: Itacaré Urgente)

A polícia identificou os corpos das quatro vítimas da chacina ocorrida na madrugada desta quinta-feira (9) em Itacaré [relembre aqui]. As vítimas foram identificadas pelos pré-nomes de Zé Bob, Rení, Zé Orlando e Romário. Entre os mortos havia um adolescente de 15 anos.

As quatro vítimas foram alvejadas com arma de calibre pesado na região da cabeça e do peito e depois foram queimadas ainda vivas. O motivo da chacina pode ter sido vingança, já que as vítimas não tinham envolvimento com trafico de drogas.

Os corpos foram removidos pelo Departamento de Polícia Técnica de Ilhéus.

Informações: Itacaré Urgente

Tentativa de homicídio deixa dois irmãos mortos e duas mulheres feridas no São Roque

Na manhã de sábado (4) dois irmãos foram mortos e duas mulheres ficaram ferida após tentativa de homicídio na rua Landulfo Alves, no bairro São Roque em Itabuna. Dois homens chegaram ao local e efetuaram os disparos, que atingiram Israel Santiago Simões, de 23 anos e conhecido como “Thuca”, o irmão Elieldo Santiago Simões, de 19 anos, uma mulher identificada como Marina Fernanda Silva, de 64 anos, e uma segunda mulher chamada Marília.

Elieldo sendo socorrido pela equipe do SAMU (Foto: Ednaldo Pinto)
Elieldo sendo socorrido pela equipe do SAMU (Foto: Ednaldo Pinto)

De acordo com a tia de Thuca, Israel era usuário de drogas, porém não tinha envolvimento com crimes, como homicídio e assaltos. Segundo ela, a família fez o que pôde para tentar afastar o rapaz das drogas, mas não obtiveram sucesso.

Thuca morreu a caminho do Hospital (Foto: Ednaldo Pinto)
Thuca morreu a caminho do Hospital (Foto: Ednaldo Pinto)

Israel foi socorrido e morreu a caminho do Hospital de Base, já o irmão Elieldo não resistiu o morreu na tarde de sábado. As duas mulheres baleadas foram atingidas de raspão e passam bem.

Familiares aguardam SAMU e fazem sombra para Elieldo (Foto: Ednaldo Pinto)
Familiares aguardam SAMU e fazem sombra para Elieldo (Foto: Ednaldo Pinto)

Thuca é ex-presidiário e em Abril de 2012 teve a perna amputada após ser baleado e pular do canal do bairro São Roque para tentar fugir da polícia.

Marília, uma das mulheres baleadas de raspão (Foto: Ednaldo Pinto)
Irmãos mortos (Foto: Ednaldo Pinto)
Irmãos mortos (Foto: Ednaldo Pinto)

 

 

Chacina em SP: Testemunha diz ter visto PM pular muro de casa antes de crime ser notificado

Em relato, uma vizinha disse ter visto duas pessoas, entre elas um policial militar fardado, pularem o muro da casa do casal de PMs Andreia Bovo Pesseghini e Luís Eduardo Pesseghini por volta das 12h da última segunda-feira (5) e comentarem que a família estava morta.

“Ele falava que ele entrou na casa e viu todo mundo morto. E saiu. Só que daí, eles saíam e não veio ninguém. Só às sete horas da noite que veio aparecer alguém”, diz a vizinha. Segundo a polícia, a corporação só foi notificada após as 18h de segunda-feira.

Para as polícias Civil e Militar, o autor do crime foi o filho do casal.
A testemunha diz não acreditar que o menino tenha sido o assassino da família e que o alvo era a mãe.

“Eu sabia que ela estava investigando alguma coisa errada aqui na Freguesia do Ó.  Ainda segundo o relato, ela foi encontrada “de joelhos” porque teria implorado para não atirarem”, afirma.

Além disso, a vizinha diz que um Meriva de cor prata estava rondando a casa com frequência, há meses, e passando informações sobre a cor da casa, do carro e quem entrava e saía.

Na última quarta-feira (7), o coronel Wagner Dimas, comandante do 18º Batalhão da Polícia Militar, afirmou que o cabo da PM Andreia Regina Pesseghini, encontrada morta junto com a família, havia denunciado colegas de trabalho que estariam envolvidos com roubos a caixas eletrônicos. A informação foi confirmada durante entrevista à Rádio Bandeirantes.

O Comando da Policia Militar, porém, diz que não houve nenhuma denúncia registrada na Corregedoria da PM, ou no Batalhão, por meio da Cabo Andréia Pesseghini contra policiais militares.

Segundo o comando, foram consultados arquivos da Corregedoria, do Centro de Inteligência e do próprio Batalhão e nada foi identificado. Na nota de esclarecimento, a corporação diz que “será instaurado um procedimento para apurar as declarações do Coronel Wagner Dimas Alves Pereira, Comandante do 18º Batalhão, não alterando em nada  o rumo das investigações”.

A versão sustentada pelos policiais é de que, na sala da casa, o adolescente atirou no pai e na mãe. Em seguida, em outra casa no mesmo terreno, ele também atirou na avó, Benedita Oliveira Bovo e na tia-avó, Bernadete Oliveira da Silva, que não morava lá, mas tinha ido dormir com a irmã.

Todas as vítimas levaram um único tiro na cabeça. Para a Polícia Civil, a única pessoa que poderia não estar dormindo na hora do crime era a mãe, encontrada de joelhos, ao lado do colchão onde o marido estava.

Fonte: R7

Suspeito de cometer chacina em Itagi é morto em confronto com a polícia

O homem de 43 anos identificado como João Bispo da Silva, suspeito de matar o sogro, a sogra, e dois trabalhadores na cidade de Itagi, morreu em confronto com policiais na madrugada de quinta-feira (6) na zona rural de Jequié. De acordo com o delegado Fabiano Aurich, responsável pela 9ª Cordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), após procurar o homem por 30 pontos diferentes, a polícia foi informada de que ele estaria escondido no local.

“Ele [suspeito] era caçador, muito bom de rastrear as coisas. Ele percebeu uma movimentação no mato, revidou e foi morto. Tinha um rapaz com ele, que foi conduzido à delegacia, ouvido e liberado”, informou o delegado.

Segundo Aurich, mais de 100 policiais, entre civis e militares, estavam à procura do suspeito. O homem estava em um lugar de mata fechada e, ao perceber a aproximação da polícia, teria atirado. O corpo dele foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Jequié.