Dupla acusada de assaltos é presa na Bananeira

Clique na imagem para amplia-la.

Itabuna – Dois homens foram presos no final da manhã deste sábado (5), sob acusação de terem praticado roubos no Centro da cidade. Segundo a polícia, a dupla estava utilizando um carro Peugeot – 206, cor: branca, na pratica delituosa. Ambos foram presos e conduzidos até a 6ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), para prestar maiores esclarecimentos.

Assaltos à ônibus não param em Itabuna

Mais uma vítima de assalto a ônibus em Itabuna procurou o Blog do Tom para relatar a falta de segurança pública na cidade. Seja dia ou seja noite, vários assaltos estão sendo efetuados.

Segundo a vítima, quando passa o posto policial do bairro Nova Itabuna, os assaltantes pulam a catraca do ônibus e levam tudo. Em seguida eles descem no ponto do bairro Urbis IV. Várias pessoas falam que eles do bairro Jorge Armado.

Itabuna está entregue aos bandidos. Na semana passada bandidos se encontraram em um ônibus durante assalto [relembre aqui].

Usuários de transporte coletivo reclamam da falta de segurança

Passageiros não tem segurança em ônibus
Passageiros não tem segurança em ônibus

Os itabunenses estão em bronca com a falta de segurança pública no município. Segundo usuários do transporte coletivo, constantes assaltos vem ocorrendo desde dezembro nas linhas de Novas Ferradas e Roça do Povo.

De acordo com informações, três homens morenos e armados entram nos ônibus na altura do Nova Itabuna, assaltam os passageiros e descem na Urbis IV. Os assaltos acontecem nos horários de picos, sendo pela manhã e à noite.

Até o momento nenhum órgão tomou providências.

No começo de janeiro desde ano um ônibus da linha Paty-Lomanto foi assaltado nas mediações da avenida J.S. Pinheiro [relembre aqui].

Pontalzinho: Bairro tradicional de Itabuna vive sob perigo

Os moradores do bairro Pontalzinho, no Centro de Itabuna, têm sido alvos de bandidos a cada dia. Constantes assaltos a qualquer hora do dia amedrontam as pessoas que moram e circulam pelo bairro mais tradicional da cidade.

Praça do Pontalzinho (Foto: Ednaldo Pinto)
Praça do Pontalzinho (Foto: Ednaldo Pinto)

A rua Monte Cristo, por exemplo, tem constantes denúncias e reclamações sobre assaltos e roubos de carros na localidade, onde também há pontos de drogas. Já a rua Antonio Muniz, uma das principais do município – que dá acesso à Santa Casa, ao cemitério, clínicas e lojas – tem crescido em termos de criminalidade. Nesta quarta-feira (30) por volta das 6h20 da manhã uma pessoa que passava por esta rua foi assaltada e, em um sábado passado, por volta das 9h30, uma mulher teve um revólver apontado à cabeça e o celular roubado.

A ausência da polícia no bairro prejudica muito a vida não só dos moradores, mas das pessoas que por ali transitam, afinal, o Pontalzinho fica próximo à avenida Amélia Amado, uma das principais da cidade. Portanto, o fluxo de pessoas e carros é realmente grande.

E não é só por parte dos bandidos que os moradores reclamam. Há ainda falta de água e de iluminação pública. A rua Antonio Muniz à noite se torna sombria com a pouca luminosidade. Funcionários do hospital se veem obrigados a andarem na escuridão da rua, assim como os alunos do CEEP – curso técnico de nutrição do Centro Estadual de Educação Profissional que funciona no extinto colégio Polivalente.

É importante que as autoridades tomem providências e cuidem melhor do bairro, não só por ser localizado no centro, mas também porque é onde a urbanização de Itabuna começou e os veteranos merecem mais respeito e segurança. Pontalzinho já era para ter um posto policial próprio para atender à demanda de denúncias.

Coelba

Na manhã desta quinta-feira (30) o fotógrafo do Blog do Tom esteve no Pontalzinho para fazer algumas fotos e flagrou agentes da Coelba realizando serviços nos postes do bairro. Os moradores reclamaram pelo fato de que a empresa simplesmente desligou a energia nas proximidades sem qualquer aviso prévio, o que pode resultar em prejuízos.

Assaltos no trecho Ilhéus-Olivença, segundo denúncias

Imagem ilustrativa / Trecho Olivença-Ilhéus
Imagem ilustrativa / Trecho Olivença-Ilhéus

Segundo denúncias, há constantes assaltos à ônibus no trecho de Ilhéus-Olivença. Bandidos aproveitam a escuridão na praia do Cururupe. O local está sem luz, mas moradores continuam recebendo conta de luz, onde cobra taxa de iluminação pública. Esperamos que autoridades tomem providências.

Exclusivo: Polícia Civil de Itabuna prende quadrilha em Camacan

Agente Lúcio Serra

A Polícia Civil de Itabuna, em operação realizada com a equipe de Camacan, prenderam na manhã desta quinta-feira (1º) em um distrito de Camacan, Chorazoi, uma quadrilha e apreenderam uma grande quantidade de drogas. A quadrilha é considerada violenta e especializada em tráfico e assaltos à fazendas. O grupo estava com o líder “Carote” em uma casa quando foram surpreendidos pela equipe policial. 9 pessoas foram presas, 6 armas e muitas drogas apreendidas.

De acordo com o agente da Polícia Civíl, Lúcio Serra, a quadrilha atuava em Santa Luzia, Camacan, Clarazoi, entre outros lugares da região. Ainda segundo Lúcio, no grupo há integrantes que são de Porto Seguro.

Os suspeitos foram conduzidos à Itabuna e serão apresentados à imprensa às 16 horas.

Estudantes reclamam de constantes assaltos próximo ao colégio CISO

Estudantes denunciam a falta de segurança em torno do Centro de Integração Social, colégio CISO, no Bairro de Fátima. Segundo denúncias, na tarde de ontem houve duas tentativas de roubo e um assalto. Ao que parece, dois menores de idade estão circulando de bicicleta pela rua do colégio roubando celulares dos alunos que passam por ali. Uma ronda escolar deveria estar passando pelo lugar, mas nada é visto.

Além do CISO, outra localidade com muitos assaltos é nas mediações do colégio CIOMF, bairro Santo Antônio. Por ficar em uma rua pouco movimentada, os bandidos aproveitam para realizar roubos nessa localidade.

Bahia é o terceiro estado em número de mortes em assaltos em bancos

Agência Brasil

O número de mortes em assaltos envolvendo bancos no país cresceu 11,1% no primeiro semestre deste ano na comparação com igual período do ano passado, aponta levantamento, divulgado nesta sexta-feira (19), pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) e a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV).

A pesquisa, elaborada com o apoio técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), mostra que o total de vítimas passou de 27 para 30. O estado que concentra maior número de casos (46%) é São Paulo, com 14 mortes.

O Rio de Janeiro é segundo estado em número de mortes, com cinco vítimas, seguido pela Bahia e pelo Rio Grande do Sul, ambos com três. Cerca de 60% dos casos, 18 mortes, correspondem aos assaltos ocorridos quando os clientes saem da agência, crime conhecido como saidinha bancária.

“O que mais nos preocupa é essa curva de crescimento constante, porque foram 23 casos em 2011, passamos para 27 e chegamos a 30. Não se tem medidas por parte do setor financeiro que reduzam essas mortes”, avaliou José Boaventura Santos, presidente da CNTV.

Os clientes continuam sendo as principais vítimas dos assaltos envolvendo bancos. Foram 21 casos no primeiro semestre deste ano, um aumento de 40% em relação ao mesmo período do ano passado. Os vigilantes aparecem em seguida, com quatro mortes. Segundo a CNTV, existem cerca de 700 mil vigilantes no país, sendo que 25% trabalham em instituições bancárias.

“Isso significa que ir a um banco hoje pode ser uma operação de risco”, acrescenta Boaventura. Quase a totalidade das mortes (93,3%) correspondem a pessoas do sexo masculino. “Geralmente os homens sacam quantias maiores de dinheiro e são também maioria nas atividades de segurança. Eles estão mais expostos ao risco e reagem mais à ação dos assaltantes”, avalia.

Ele acredita que faltam investimentos por parte das instituições bancárias que garantam aos clientes uma movimentação segura. “Foram investidos R$ 3,1 bilhões em segurança e vigilância em 2012, enquanto o lucro dos seis maiores bancos superou R$ 51 bilhões. E esse cálculo ainda envolve proteção de crimes eletrônicos, ou seja, o investimento real para segurança da vida das pessoas ainda é menor”, apontou. O levantamento aponta que os bancos foram multados pela Polícia Federal em R$ 8,8 milhões pelo descumprimento de normas de segurança.

Como medidas de prevenção que poderiam ser adotadas, Boaventura aponta a instalação de biombos e divisórias, além de câmeras e portas de segurança. “A porta, por exemplo, deveria se tornar obrigatória. Defendemos também a blindagem das fachadas”, sugeriu o presidente da confederação. Ele destacou que em João Pessoa, capital da Paraíba, onde uma lei municipal obriga a instalação de divisórias, não foram registrados crimes de saidinha bancária.