Motoristas não aprovam construção de shopping popular em praça de táxi

Imagem: Google Maps
Imagem: Google Maps

Os taxistas da Praça 01 localizada ao lado da FTC em Itabuna, estão revoltados com a proposta da Prefeitura de transferir os vendedores ambulantes da avenida Cinquentenário e ruas adjacentes para um shopping popular que deve ser construído nesta praça. Com este feito, os taxistas serão obrigados a deixarem o local.

Na última terça-feira (27) secretários da cidade se reuniram com taxistas da Praça 01 para apresentarem uma proposta de transferência de ponto de táxi para dar lugar ao novo centro de compras. Se aceito, os motoristas que ficam em frente à clínica Dois de Julho terão que se dividir pelas áreas da Praça José Bastos e atrás do CESP, mas eles reclamam da decisão. A prefeitura anunciou na última quarta-feira (28) que pretende construir um shopping popular para agregar os ambulantes que trabalham na avenida do Cinquentenário.

Para o motorista Adenilson Rehem, que trabalha no local há 30 anos, a construção do centro de compras naquela área é um ato de desrespeito. “Desde já eu sou contra. Não é lugar apropriado para fazer camelô”, diz Adenilson. Ele afirma que não tem nada contra os ambulantes, porém, os taxistas trabalham naquela praça há 50 anos e é de onde tiram o sustento da família. Ele diz ainda que isso pode prejudicar na procura de seus clientes. “Os ambulantes estão melhores lá do que aqui”, conclui.

O taxista Wagner Pinho, que trabalha no local há 27 anos ininterruptos, tem a mesma posição. Segundo ele, tem taxistas que trabalham no local desde a fundação da praça pelo prefeito regente da época, Félix Mendonça. Wagner diz que essa transferência só vai beneficiar os ambulantes, enquanto os motoristas vão perder clientes e visibilidade ao se espalharem. “Ninguém sabe para onde vamos. A prefeitura não visa pelo bem estar de quem está aqui”, reclama, inconformado com a situação.

“Se precisar nós vamos fechar a cidade”. Pinho compara a situação com os conflitos em Buerarema e região. “Os índios invadiram as terras porque são deles. Estão fazendo a mesmo coisa aqui, querem trazer os camelôs para nossa área. Aqui é minha casa”, afirma. Wagner diz ainda que “A insatisfação é muito grande por parte dos taxistas”.

A dona de uma banca de revistas que está na praça não participou da reunião da terça-feira, mas ela comenta que não concorda com essa mudança dos ambulantes. Uma reunião será feita para decidir se o centro de compras será construído na praça

Os comentários estão fechados.