Programa Mais Médicos traz 12 estrangeiros para Bahia

Doze municípios baianos irão receber médicos estrangeiros pelo programa Mais Médicos, do Ministério da Saúde. Ao todo, são 30 profissionais de outras nacionalidades que foram formados em universidades de fora do país.  O nome dos médicos e a cidade em que trabalharão a partir da segunda quinzena de setembro foram divulgados nesta quinta-feira (15) em portaria publicada no Diário Oficial da União. Itabuna e Ilhéus estão de fora da seleção.

Nesta quinta-feira (15) o Ministério da Saúde anunciou ainda a ampliação no número de médicos brasileiros que vão trabalhar na Bahia, passando de 85 para 103. Contando nacionais e estrangeiros, serão 144 médicos em 63 municípios, o maior número em todo o país, seguido de São Paulo (134), Rio Grande do Sul (119) e  Ceará (117). Salvador receberá 47 médicos, sendo 12 estrangeiros.

Quando o programa foi lançado, no mês passado, 317 cidades baianas se inscreveram solicitando, ao todo, 1.382 médicos. A baixa adesão dos profissionais, todavia, deixou 254 municípios de fora – o número de vagas preenchidas equivale a pouco mais de 10% da demanda. Em todo o país, foram abertas 10 mil vagas, mas somente 1.618 profissionais se candidataram.

O secretário da Saúde do estado, Jorge Solla, comemorou o resultado, já que o processo de inscrição deu aos médicos a opção de escolher qual cidade do país gostariam de trabalhar. “E a Bahia foi o estado mais procurado. O resultado foi positivo diante a indisponibilidade dos profissionais”, disse. Segundo o Ministério da Saúde, dos 63 municípios escolhidos pelos médicos,
49 deles estão em regiões de extrema pobreza.

O secretário salienta que a desconfiança dos profissionais estrangeiros foi o que determinou a baixa adesão. “Você tem que imaginar que pra alguém para sair da Espanha para vir para cá para um programa que está começando, fica inseguro. À medida que for funcionando, vai atraindo novos profissionais”, disse.

Segunda etapa
Na segunda-feira (19), o Ministério da Saúde abre as inscrições para a segunda etapa, para tentar ocupar as vagas que ficaram vazias. O secretário acredita que os estrangeiros que aqui chegarem farão boa propaganda do país. “Não terão dificuldades de jeito algum, porque essas vagas são para equipes que já existem, com enfermeiros, técnicos, odontólogos, para unidades que já estão prontas, já funcionam”, disse.

O presidente do Conselho de Medicina da Bahia (Cremeb-BA), Abelardo Meneses, acha o contrário. “A adesão é baixa e vai continuar sendo. Médicos não veem segurança na medida e as condições de trabalho afastarão quem chegar”, disse.

Meneses ainda acredita que pode reverter o Mais Médicos no Congresso. “Vamos convencer os parlamentares a derrubar a medida provisória”, disse.
Em mais uma tentativa, o Conselho Federal de Medicina (CFM) anunciou que as entidades regionais ingressarão com ações na Justiça Federal para que não sejam obrigados a fazer o registro provisório dos que aderiram ao Mais Médicos sem a “comprovação documental da revalidação dos diplomas”.

Itabuna e Ilhéus estão de fora da seleção.

Fonte: Correio

Os comentários estão fechados.