‘O mundo é perigoso para nós’, diz líder do GGB sobre ataque nos EUA

“Os 50 mortos são um recado claro de que o mundo é um local perigoso para nós”, disse Marcelo Cerqueira, presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB), sobre o ataque na boate gay de Orlando, Estados Unidos, na madrugada deste domingo (12), que deixou 50 mortos e 53 feridos.get

O ataque ocorreu por volta das 2h (3h no horário de Brasília), na boate Pulse. Quando a polícia chegou ao local, houve troca de tiros do lado de fora e o atirador voltou para dentro e fez reféns por algumas horas. O suspeito portava um fuzil AR-15 e uma arma de pequeno porte, além de um “dispositivo” não identificado. Ele morreu durante a troca de tiros com a polícia.jj

Para Marcelo Cerqueira, atos como esse são frutos do aumento do conservadorismo no mundo e do fortalecimento de religiões extremistas. “Isso é um perigo enorme à democracia e a todo o progresso que conseguimos ao longo dos anos”, afirmou.
O presidente do GGB ainda revelou que as vítimas da boate Pulse serão homenageadas na Parada Gay de Salvador, marcada para ser realizada em 11 de setembro.97f400dd4f8aba5385bdb7b623088f0328c60d75

“Vamos fazer um minuto de silêncio pelas vitrimas e pelo fim do terrorismo. Vamos também distribuir materiais contra a violência Oas LGBTs”, disse Marcelo.suspeito-atentado-omar-reprod-1024x576-576x324

Dados do GGB apontam que, em 2016, já ocorreram na Bahia o assassinato de 16 LGBTs. Em 2015 a entidade contabilizou 33 mortes. “É preciso que todos nós fiquemos atentos a todo comportamento que indiquem atos de extremismo e façamos denúncias à polícia”, acrescentou Marcelo.

Os comentários estão fechados.