Polícia Civil prende seis pessoas e apreende armas e drogas

A polícia civil de Itabuna realizou, na manhã desta quinta-feira (16), uma operação de rotina que resultou na prisão de seis pessoas, entre elas três mulheres. As prisões aconteceram na Avenida Beira Rio no Bairro Nova Itabuna, em cumprimento a três mandados de busca e apreensão.

Foram presos Alanderson Nascimento, de 19 anos, mais conhecido como Japa, Rafael Pereira, de 19 anos, José Amorim, de 20 anos, mais conhecido como Pajé, e as mulheres Taiara dos santos, de 30 anos, Kailane dos santos, de 19 anos, e Marilene Ferreira de 38 anos, que é mãe de Pajé. Dois adolescentes também foram conduzidos para o Complexo Policial.

Nas residências onde os acusados foram presos, a polícia encontrou 50 gramas de cocaína, 105 gramas de maconha embalada para venda, mais 260 gramas de maconha prensada, balança de precisão, um revólver valibre 38, uma espingarda, diversas munições de calibre 38, 32 e 12, além de um notebook, que um dos presos assumiu ter sido trocado por droga. Segundo a polícia, em uma das casas foi encontrado um cão da raça pitbul, que segundo a polícia, fazia a segurança do local e atrapalhava a ação dos policiais.

Os acusados foram autuados por associação ao tráfico, formação de quadrilha e bando armado.

De RadarNotícias

Vitória da Conquista: soldados da PM são indiciados por morte e desaparecimento de menino de 9 anos

Maicon_03Seis policiais militares foram indiciados pelo desaparecimento e morte de um menino de 9 anos em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, segundo informações da Polícia Civil. O garoto Maicon Batista Braga está sumido desde o dia 4 de dezembro do ano passado, quando brincava em um local onde aconteceu um tiroteio – PMs atiraram contra um grupo que acreditavam ser de traficantes. Ao contrário da versão inicial da PM, o inquérito concluiu que não houve troca de tiros e só os policiais atiraram.

O delegado Neuberto Costa, titular da Delegacia de Homicídios da cidade, encaminhou na segunda-feira (13) o inquérito policial sobre o caso ao Ministério Público. Os seis soldados indiciados são da 77ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM). Três deles foram indiciados por homicídio e ocultação de cadáver e três por ocultação de cadáver.

Os indiciados faziam parte de duas guarnições da PM que estiveram no Condomínio Vila Sul e atiraram, segundo nota da Polícia Civil, “em um grupo de garotos, que retornava de uma lagoa próxima”. Um processo administrativo sobre o caso também foi instaurado pela Corregedoria da PM e já está em fase de conclusão.

O laudo de reconstituição do Departamento de Polícia Técnica (DPT) foi anexado ao inquérito na última quarta e revela que os únicos tiros disparados no local, em um matal ao lado do condomínio, partiram dos policiais militares. Os soldados Pablo Mendes Almeida Borba, Josias Nascimento Libarino e Kleber Jackson Rodrigues, indiciados por homicídio e ocultação de cadáver, admitiram em depoimento que atiraram contra um grupo que eles suspeitavam ser de traficantes. Os soldados Mateus Queiroz de Oliveira, Warley Lopes Santos e Agenlado Gama Silveira Junior foram os indiciados por ocultação de cadáver.

O inquérito ouviu mais de 20 testemunhas e todos os policiais que participaram da ação. O Ministério Público acompanhou o caso.